Repúdio

População faz abraço simbólico em defesa de Pedra Grande, em Igarapé

Ato teve como objetivo alertar sobre a possibilidade de avanço da mineração na área e conscientizar sobre a defesa da preservação desse patrimônio cultural e paisagístico

Por Lisley Alvarenga
Publicado em 07 de setembro de 2023 | 13:29
 
 
 

A serra de Pedra Grande, monumento natural que abriga fauna, flora, nascentes e cavernas em Igarapé, na região metropolitana de Belo Horizonte, recebeu um abraço simbólico, na manhã desta quinta-feira (7/9), Dia da Independência do Brasil.

O ato, que contou com a presença de centenas de moradores e autoridades, teve como objetivo alertar sobre a possibilidade de avanço da mineração na área e conscientizar sobre a defesa da preservação desse patrimônio cultural e paisagístico.

Morador da comunidade de Vieiros, José Roberto Pereira Cândido criticou a suposta depredação da região pela mineradora Usiminas. "Não queremos que façam um novo buraco na serra, como já fizeram do outro lado, e uma estrada com 16 metros de largura para escoamento da produção", denunciou.

Secretário de Meio Ambiente de Igarapé, Isaias de Barros Abreu falou da relevância ambiental de toda a área. "Aqui nesta região estão as principais nascentes que abastecem o reservatório de Serra Azul, ou seja, é um importante núcleo de água de Serra Azul, que também é responsável pelo abastecimento de 2 milhões de habitantes da região metropolitana. Por isso, o município de Igarapé, por meio de decreto, ampliou essa área de tombamento de proteção e conservação para quase 2 milhões de m². Queremos garantir a nossa sobrevivência e a das gerações futuras", salientou.

O prefeito de Igarapé, Arnado Chaves, que também participou do ato simbólico, lembrou da ampliação do tombamento provisório da área pelo município e falou sobre a relevância do monumento natural. "Esse é um patrimônio ambiental e cultural muito grande que precisamos de preservar e garantir uma visitação consciente. Nós, enquanto usuários e cidadãos, temos que preservar e também ajudar a cuidar", frisou.

Já Frederico Etienne, do Grupo de Defesa Ambiental Guará, de Igarapé, pediu que a área se transforme em um parque ecológico. "Essa área toda está sendo ameaçada pela Mineradora Usiminas, que tem um projeto de expansão que vai afetar a questão turística e ecológica da região. Estamos aqui neste ato para entregar um documento para os prefeitos e os deputados estaduais presentes pedindo a proteção desta região", disse.

Entenda

Desde o dia 29 de agosto, a área que liga a Pedra Grande a Pedra do Cristo Deitado foi tombada provisoriamente pela Prefeitura de Igarapé por meio de decreto. Com isso, a área de proteção, que antes tinha 231 mil m², foi ampliada para mais de 1,8 milhões de m². O tombamento será válido até que os estudos de um tombamento definitivo, que devem durar seis meses, sejam finalizados. 

A medida ocorreu após a Mineração Usiminas conseguir, em janeiro deste ano, uma licença ambiental para instalar empreendimento próximo à Pedra Grande, em Itatiaiuçu, também na região metropolitana. A expansão da atividade minerária revoltou moradores, que temem impactos da mineração no local. 

Para evitar que uma nova expansão das atividades ocorra e chegue ao território de Igarapé, a prefeitura decidiu ampliar a área tombada. O procedimento, no entanto, não impede a mineração da área da Pedra Grande, em Itatiaiuçu. 

Na ocasião, o vice-prefeito de Igarapé, Daute Henriques Alvim, o Dautinho, salientou que a ideia é que o território de proteção seja alvo de investimento em turismo sustentável. “É uma ação de prevenção, atualmente a Usiminas afirma que a área não é economicamente rentável para mineração e não há planos para trabalhos no local, mas ninguém sabe a 20 e trinta anos. O decreto é assinado pelo prefeito Arnaldo Chaves, mas pode ser contestado pela mineração porque a área é privada. Mas vamos continuar na luta para transformar o local em uma área de ecoturismo e preservação”, garantiu o gestor. 

Posicionamento

Por meio de nota, a Mineração Usiminas declarou que o Projeto Camargos está em fase de desenvolvimento e está alinhado com essa agenda sustentável da companhia. "As licenças ambientais já foram expedidas pelos órgãos responsáveis cuidando todos os aspectos hídricos e espeleológicos, assim como da fauna, da flora, e como de todos os aspectos ambientais que demandam áreas como as dessa região", declarou.

A empresa lembrou que, em 29 de agosto, a Usiminas e a Prefeitura de Igarapé assinaram Termo de Intenções com foco na estruturação de um programa de visitas à Pedra Grande. "Por meio do documento, a empresa e o município assumem o compromisso de atuar em conjunto na criação de condições para acesso ao local de forma organizada e ambientalmente responsável", informou.

A mineradora afirmou ainda que a Pedra Grande "está classificada pela companhia como um bem intocável, e que a empresa vem atuando de forma intensiva com foco na conservação da estrutura e de seu entorno, com o objetivo de contribuir para a biodiversidade local". 

A Usiminas declarou também que "o projeto aprovado não é na Pedra Grande e que todas as áreas de proteção ambiental criadas pela empresa serão mantidas e preservadas".

"A área estabelecida pela empresa para a preservação do monumento natural é de cerca de 385 hectares, e a companhia criou ainda no local um banco espeleológico para estudo e manutenção das cavernas existentes e espécies que vivem nelas, além de desenvolver programas de proteção à fauna e flora nativas no local e em todas as áreas próximas às suas operações na região da Serra Azul", finalizou a nota.

(Com Raíssa Oliveira)

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!