Devastadora

Quase 19 mil unidades da 'droga zumbi' foram apreendidas em presídios mineiros

Autoridades investigam 13 mortes por overdose relacionada à droga nas cadeias do Estado

Por Lucas Gomes
Publicado em 13 de abril de 2024 | 09:27
 
 
 
normal

A Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) informou, neste sábado (13 de abril), que apreendeu 18.656 unidades de drogas da família K, conhecidas como "droga zumbi", em presídios de Minas Gerais entre janeiro de 2023 e março de 2024. O uso da droga está difundido nas penitenciárias do Estado e ao menos 13 mortes por overdose do entorpecente são investigadas pelas autoridades desde dezembro do ano passado em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte. 

+ Entenda o que é a "droga zumbi"

Pelos dados divulgados pela Sejusp, é como se, por dia, 41 unidades da droga fossem apreendidas nas cadeias administradas pelo poder público mineiro. Ainda assim, existem relatos de policiais penais sobre a dificuldade de identificar o entorpecente, já que ele é diluído em papel, tecido, e outros objetos. 

Das 13 mortes investigadas pela Sejusp e pela Polícia Civil, sete ocorreram nas últimas duas semanas. Os óbitos ligaram um alerta ainda maior, uma vez que agentes já tinham percebido o aumento do uso da substância. Os detentos adeptos à droga apresentam comportamento agressivo, se desconectam da realidade e, em muitos casos, precisam ser atendidos pela unidade de saúde de cada unidade. 

Embora a própria Sejusp tenha informado que os óbitos foram supostamente por overdose de drogas K, a pasta ressalta que os casos ainda estão em investigação. Por meio de nota, a Sejusp disse que a tentativa de entrada de substâncias ilícitas nas unidades prisionais de Minas Gerais, incluindo as novas drogas, como a K4, é coibida diariamente por meio da atuação de policiais penais, seja por meio de ações ostensivas no entorno das unidades, seja por meio do trabalho de Inteligência das equipes ou por meio da expertise dos profissionais que trabalham no recebimento de itens enviados por familiares e revistas de visitantes. 

“As unidades prisionais mineiras estão dotadas de diferentes equipamentos de segurança que contribuem para os trabalhos, tais como banqueta de raio-x, aparelhos de raio-x, bodyscan e drones para o monitoramento externo. Além disso, são realizadas operações de revista em todas as unidades como procedimento padrão para coibir a permanência destes materiais dentro dos presídios e penitenciárias. Todas as apreensões são, por força de lei, levadas para a Polícia Civil, responsável pelas investigações criminais”, informou a Sejusp. A reportagem questionou quantas pessoas foram presas nessas situações e aguarda resposta.

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!