Imóveis

Apartamentos com até 30m² foram os mais valorizados em BH nos últimos 6 meses

O preço do metro quadrado para esse tipo de unidade subiu 3,4% entre julho e agosto de 2022, atingindo a mediana de R$ 9,7 mil no mês passado


Publicado em 27 de janeiro de 2023 | 16:38
 
 
 
normal

Os imóveis residenciais com até 30 metros quadrados, também conhecidos como microapartamentos ou apartamentos compactos, foram os que mais valorizaram em Belo Horizonte nos últimos seis meses. O preço do metro quadrado para esse tipo de unidade subiu 3,4% entre julho e agosto de 2022, atingindo a mediana de R$ 9,7 mil no mês passado, conforme levantamento pela startup do mercado imobiliário Loft. 

A valorização observada em BH foi superior à registrada em outras capitais da região Sudeste, como São Paulo (3%) e Rio de Janeiro (2,4%), no mesmo período. De acordo com o estudo, em alguns bairros de Belo Horizonte, o preço do metro quadrado dos microapartamentos ultrapassa os 12 mil. É o caso do Savassi, onde a mediana de preço, em dezembro, foi de R$ 12,5 mil. 

Na prática, isso significa que um imóvel de 30 metros quadrados localizado no bairro pode ser vendido por R$ 375 mil. Além do Savassi, Cidade Jardim (R$ 11,5 mil), Serra (R$ 11,1 mil) e Estoril (R$ 10,7 mil) têm compactos com metragem máxima de 30m2 anunciados com valor do metro quadrado acima da mediana da cidade (R$ 9,7 mil). 

No levantamento, a Loft analisou mais de 145 mil anúncios ativos de apartamentos em Belo Horizonte entre julho e dezembro do ano passado. O estudo considera os preços anunciados dos imóveis. Apesar da valorização acima da registrada em São Paulo e no Rio de Janeiro, Belo Horizonte tem uma oferta menor desse tipo de unidade para venda, quando comparada com as capitais paulista e fluminense. 

Na cidade mineira, os imóveis com até 30 metros quadrados representam menos de 1% dos imóveis. Já no Rio, eles respondem por 2,92% do mercado e em São Paulo por 2,5%. 
No mês passado, o bairro Savassi era o que possuía a maior oferta de microapartamentos (15%), seguido pelo Centro (10%), Serra (9,8%), São Luiz (8,1%) e Santo Agostinho (5,8%).  

“Os compactos são uma tendência em ascensão no país, especialmente em grandes metrópoles. Normalmente localizados em áreas centrais, esse tipo de unidade também costuma ser uma porta de entrada para quem deseja comprar um imóvel. Isso porque o preço absoluto de um microapartamento tende a ser menor do que o de apartamentos grandes, mesmo o metro quadrado sendo maior”, afirma Rodger Campos, gerente de 
Dados da Loft. 

No marketplace de imóveis da startup, há opções de até 30 metros quadrados com preços que variam de R$ 140 mil até R$ 400 mil. O custo de morar em um compacto é predominantemente mais barato, mesmo com opções de lazer nas áreas comuns. Isso porque as áreas sobre as quais se calcula a taxa de condomínio e o imposto são menores. Prédios com esse tipo de planta também costumam ter um número maior de unidades para dividir as despesas comuns.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!