Aviação

Companhia aérea Alitalia encerra atividades após 74 anos de operações

Fundada em 5 de maio de 1947, empresa foi o símbolo do milagre econômico da Itália após a Segunda Guerra Mundial

Sex, 15/10/21 - 12h27
A Alitalia, uma das mais tradiconais companhias aéreas do mundo

A Alitalia encerra 74 anos de história para dar passagem à empresa ITA Airways, nascida de suas cinzas, em um mercado aéreo que luta pela recuperação após as turbulências da pandemia de Covid-19.

O primeiro voo da ITA Airways decolou nesta sexta-feira (15/9) às 6h20 locais (1h20 de Brasília) de Milão com destino a Bari, sul do país, sete horas após o último pouso da Alitalia, na quinta-feira à noite em Roma, procedente de Cagliari.

Trajetória

Fundada em 5 de maio de 1947, a Alitalia foi o símbolo do milagre econômico da Itália após a Segunda Guerra Mundial e se tornou a sétima companhia aérea do mundo nos anos 1970, antes de entrar em um longo declínio, que se agravou nos últimos anos.

A história da empresa está entrelaçada com a do país: as primeiras comissárias de bordo vieram em 1950, a Alitalia foi a empresa de transporte oficial dos Jogos Olímpicos de Roma-1960 e superou a marca de um milhão de passageiros. Paulo VI foi o primeiro papa que voou pela companhia em 1964 e Antonella Celletti, a primeira mulher que pilotou um de seus aviões em 1989.

"Assistimos com profunda tristeza o fim da Alitalia, que era nossa marca nacional, símbolo da história do país", declarou, emocionada, Laura Facchini, 47, auxiliar de voo da Alitalia durante duas décadas. Como tantos outros, ela solicitou, em vão, passar a integrar o quadro de funcionários da ITA como parte da primeira série de 2.800 pessoas contratadas este ano. Até 2022 devem ser contratados 5.750 funcionários, de um total de 10.500 da Alitalia.

Luta sindical

"Muitos de nós estamos desesperados porque não temos mais emprego. Estávamos muito ligados à empresa, muito motivados, sempre tivemos um sorriso no rosto”, disse a delegada nacional do sindicato UGL Transporte Aéreo.

Os sindicatos da Alitalia organizaram uma série de manifestações contra os "contratos com desconto" oferecidos pela ITA, com cortes de salários de até 20% e inclusive 40% para os pilotos, e a "venda por partes" da empresa.

O setor de aviação passou para a ITA, uma empresa totalmente estatal, mas os serviços de terra e de manutenção serão vendidos de maneira separada, por meio de licitações, como exigiu a União Europeia nas duras negociações com Roma.

Recursos

A Comissão Europeia aprovou em em setembro uma injeção de € 1,35 bilhão (US$ 1,566 bilhão) de fundos públicos. Mas exigiu uma "descontinuidade econômica" entre Alitalia e ITA, isentando esta última de devolver os "auxílios estatais ilegais" recebidos pela sua antecessora.

Ao longo dos anos, o Estado italiano desembolsou mais de € 13 bilhões (quase US$ 15 bilhões) para tentar salvar a empresa, entre recapitalizações e créditos. Mesmo assim, a Alitalia acumulou perdas de € 11,4 bilhões (US$ 13,2 bilhões) entre 2000 e 2020.

"O grande erro foi não investir no lucrativo mercado de longa distância", declarou Andrea Giuricin, economista especializado no transporte da Universidade Bicocca de Milão. Especialmente porque as companhias de baixo custo, como Ryanair e Easyjet, quebraram o mercado com a redução dos preços para as viagens de curta distância e o trem de alta velocidade reduziu o tempo de viagem entre Roma e Milão de seis para três horas.

Perdas

À beira da falência, a Alitalia foi colocada sob supervisão da administração pública em 2017, mas a situação se agravou ainda mais com o impacto da pandemia de Covid-19, que paralisou diversas companhias aéreas. Em 2020, a Alitalia registrou perdas de 2 milhões (US$ 2,32 milhõe) por dia, transportando apenas 6,3 milhões de passageiros no ano, contra US$ 52,1 milhões da Ryanair e US$ 34 milhões da Air France-KLM.

Com uma frota reduzida à metade, de 52 aviões, incluindo sete grandes, a ITA enfrentará dificuldades. "Resistir à concorrência dos gigantes Air France-KLM e Lufthansa nas viagens internacionais e das companhias de baixo custo no mercado nacional é impossível", disse.

Desde que a Alitalia foi colocada sob supervisão pública há quatro anos, o governo procurou em vão por compradores. No passado, porém, a Alitalia atraviu grandes pretendentes, como a Air France-KLM, que apresentou uma oferta em março de 2008, mas que foi rejeitada por Silvio Berlusconi, que assumiu o poder logo depois com base em uma campanha sobre a defesa da "italianidade".

Resgatada por um grupo de empresários italianos, a Alitalia precisou de um novo resgate em 2014 por parte da empresa Etihad (Emirados Árabes), que adquiriu 49% de seu capital, o que não freou a trajetória rumo ao colapso. 

O famoso logo verde sobre fundo branco da Alitalia não vai desaparecer, pois a ITA venceu na quinta-feira a licitação para sua compra, ao pagar 90 milhões de euros (104 milhões de dólares).

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

(2) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Bertão tolerância 0 2:35 PM Oct 15, 2021
Fica em casa, a economia vem depois....
62
Denunciar

Paulo Barbosa 1:32 PM Oct 15, 2021
Uma pena do fim desta empresa aérea , como tantas outras como a Varig que vai deixar saudades, pelos serviços prestados aos seus passageiros , onde a presteza e a educação faziam um grande diferencial.
1
Denunciar

LEIA MAIS
ÔMICRON
Preocupação
Tragédia
Celeuma
Intempéries
Às ruas
Terapia gênica
Defesa
Escândalo
Mutações