Vittorio Medioli

Evolução e compreensão

Publicado em: Dom, 11/10/20 - 03h00
audima

O indivíduo consciente entende que sua vida não é o começo nem o fim de uma trajetória evolutiva.

Se no Antigo Testamento encontra-se que “a vida do estulto é pior que a morte”, também se acha que, “onde existe o conhecimento, aí tem muita dor”.

Ora, ser ignorante e feliz? Ser uma fera saciada de seus desejos? Ou sofrer irremediavelmente das dúvidas e das angústias que o saber proporciona? Ficar na pequenez e dela aproveitar os prazeres físicos? Ou se voltar para os horizontes de um infindável e enigmático universo?

“Nihil cogitantium jucundissima vita est”; assim, não pensar deixa a vida felicíssima pelas sensações e prazeres que se apagam como um fogaréu de palha? Contrariando o caminho da ignorância, os estoicos diziam: “Sapere longe, prima felicitatis pars est”, saber enxergar longe é o primeiro passo para se chegar à felicidade.

Os dois são caminhos antagônicos: o do prazer fisiológico, fim em si mesmo, decididamente o mais usado pela humanidade, ou a busca da evolução espiritual, que passa pelo estudo, pelo saber, pela abstinência.

Para alguns, a felicidade se concentra em copos de cachaça, mas não para nem na taça de champanhe, levando prematuramente aos incômodos da doença, se transforma em vaidade, em desejo de poder que nunca se sacia; para outros, menos numerosos, é a dedicação ao ideal transcendente, que vê no sacrifício não um espantalho, mas uma passagem obrigatória, um pedágio à evolução.

Entre a cruz e a espada, o caminho passa “per aspera” e vai “ad astra”.

Subir às estrelas, aos píncaros da essência humana, transita justamente pela aspereza das renúncias, das quedas, da solidão, e sempre pela incompreensão. O indivíduo consciente entende que sua vida não é o começo nem o fim de uma trajetória evolutiva. Em suas escolhas, vê oportunidades que formarão seu cabedal íntimo, indestrutível e eterno.

Dante avisou: “Feitos não fomos para viver como embrutecidos, mas para perseguir virtudes e conhecimentos”. Angústias, tristezas, melancolias, frustrações e até a solidão do incompreendido são facetas a lapidar de uma pedra que se chama “vida”.

Vittorio Medioli dá uma pausa na publicação de seus artigos em O TEMPO e volta após o período eleitoral

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Sandro Herrera Peres da Costa 1:29 PM Oct 11, 2020
Por quê temos que passar pela dor pra se chegar ao conhecimento espiritual? Acho q podemos abreviar este caminho observando a dor do nosso próximo ou sofrendo com eles.
0
Denunciar

LEIA MAIS