Barbárie

Bebês recém-nascidos, fruto de incesto, são encontrados mortos em porão de casa

O caso foi registrado no norte da Polônia, nesta segunda-feira (18/9); Além de manter um suposto relacionamento incestuoso com a filha de 20 anos, o pai é acusado de abusar de outra jovem

Por O TEMPO
Publicado em 18 de setembro de 2023 | 16:04
 
 
 
normal

Os restos mortais de três bebês recém-nascidos foram encontrados no porão de uma casa onde pai e filha viviam supostamente juntos em um relacionamento incestuoso. O caso foi registrado no norte da Polônia, neste domingo (17/9), e as informações são do The Mirror.

Piotr Gierasik, 54, e Paulina Gierasik, 20, foram presos após a sombria descoberta e agora enfrentam prisão perpétua por assassinato e incesto. Os restos mortais dos bebês foram encontrados em covas rasas e embrulhados em sacos plásticos na propriedade do vilarejo de Czerniki.

Após a descoberta, a promotora do caso Mariusz Duszyński, do Gabinete do Procurador Distrital de Gdańsk, informou que filha responde pelos crimes de incesto e homicídio. Enquanto, o pai além da acusação de incesto com sua própria filha de 20 anos, também responde por três acusações de homicídio e por abusar sexualmente de outra filha.

De acordo com a polícia local, os bebês assassinados eram fruto da relação supostamente consensual entre o Sr. Gierasik e sua filha de 20 anos. Já a terceira criança era fruto de um relacionamento forçado com outra filha. 

A família Gierasik mudou-se para Czerniki há cerca de 15 anos, após a morte de sua esposa. Para os vizinhos, eles pareciam uma família comum, com Piotr levando seus filhos para passeios na floresta para colher cogumelos e sem demonstrar sinais de comportamento suspeito. A revelação chocou profundamente a comunidade local.

Em entrevista à imprensa local, um colega de trabalho de Paulina começou a suspeitar de sua gravidez quando a jovem começou a usar roupas largas e tirou três semanas de folga do trabalho. No entanto, ela retornou uma semana depois, parecendo mais magra, fraca e constantemente cansada. Quando questionada sobre a criança, Paulina negou qualquer conhecimento da gravidez. Outro morador da aldeia relatou que pai e filha sempre viveram como um casal.

A polícia foi acionada após os colegas de trabalho notarem um comportamento estranho de Paulinha. 

As investigações sobre a morte dos bebês ainda estão em curso, e os promotores aguardam os resultados da autópsia para determinar a causa de cada uma delas. A polícia também está realizando buscas na casa em busca de possíveis corpos adicionais.
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!