memorial

Dissidentes chineses inauguram em NY museu sobre a Praça da Paz Celestial

Espaço é dedicado à memória de massacre contra estudantes que protestavam em 1989, em Pequim

Por Agências
Publicado em 02 de junho de 2023 | 19:10
 
 
 

Dissidentes chineses do massacre da Praça da Paz Celestial (Tiananmen) de 1989, em Pequim, inauguraram nesta sexta-feira (2), em Nova York, o único museu do mundo dedicado aos "sonhos democráticos do povo chinês", dois dias antes do 34º aniversário da "repressão brutal" da revolta.

"Os eventos de 1989 tiveram um impacto não apenas na China, mas em todo o mundo. Em um momento em que percebemos a ameaça que o regime do [presidente chinês] Xi Jinping representa para a civilização, devemos comemorar [o 4 de junho de] 1989", disse à imprensa Wang Dan, fundador deste pequeno museu memorial e uma das principais figuras do movimento estudantil da Praça da Paz Celestial.

Em um pequeno escritório de um prédio pouco atraente no centro de Manhattan, são expostas fotos, vídeos, recortes de jornais, cartazes, cartas e faixas sobre esse histórico protesto democrático que Pequim reprimiu com sangue, matando pelo menos 1.000 manifestantes pacíficos. Organizações de direitos humanos afirmam que são milhares de vítimas.

"Devemos celebrar aqueles que sacrificaram suas vidas e lembrar os sonhos democráticos do povo chinês naquela época", instou Wang Dan, que passou anos na prisão na China antes de chegar aos Estados Unidos em 1998 para estudar História em Harvard.

Mas "mesmo nos Estados Unidos sentimos a pressão e as ameaças do regime chinês", declarou à AFP. Para esse dissidente, "os acontecimentos de 1989 estão ligados ao passado, mas também ao presente e ao futuro". Ele fez um apelo para que seja lembrada "a verdadeira face do Partido Comunista Chinês" em 1989 e atualmente.

Vários opositores chineses e políticos americanos participaram da cerimônia de inauguração do museu, a única exposição permanente do mundo sobre Tiananmen após o fechamento em 2021 de um museu em Hong Kong.

A efervescência artística que costumava acompanhar a comemoração anual da Praça da Paz Celestial em Hong Kong praticamente desapareceu sob as autoridades pró-Pequim.

Por mais de 30 anos, dezenas de milhares de pessoas se reuniam todo dia 4 de junho no Parque Victoria de Hong Kong - devolvido a Pequim por Londres em 1997 - para realizar uma vigília à luz de velas.

Mas desde que a China impôs uma lei de segurança nacional em 2020, as autoridades locais puseram fim a essas concentrações, criminalizaram grande parte da dissidência e sufocaram o movimento democrático.

(AFP)
                
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!