Tensão

Ucrânia insiste que míssil que caiu na Polônia era russo, contra EUA e Otan

O míssil provocou a morte de dois homens no pequeno povoado polonês de Przewodow, situado a seis quilômetros da fronteira com o país

Por Agência
Publicado em 16 de novembro de 2022 | 20:50
 
 
 

A Ucrânia persistiu em afirmar, nesta quarta-feira (16), que o míssil que caiu ontem na Polônia, matando duas pessoas, era russo, contrariando as versões de Estados Unidos e Otan, que o atribuem a um disparo da defesa antiaérea ucraniana.

"Não tenho nenhuma dúvida de que não foi um míssil nosso", disse o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky. "Penso que é um míssil russo, com base em nossos relatórios militares", acrescentou.

O míssil provocou a morte de dois homens no pequeno povoado polonês de Przewodow, situado a seis quilômetros da fronteira com a Ucrânia.

Inicialmente, o incidente gerou temores de uma escalada bélica, já que a Polônia é um país-membro da Otan e está amparada pelo compromisso de defesa coletiva da aliança.

Mas, com as primeiras investigações sobre o ocorrido, a tensão diminuiu parcialmente.

"O incidente foi provavelmente causado por um míssil do sistema ucraniano de defesa antiaérea para defender o país dos mísseis russos", disse o secretário-geral de Otan, Jens Stoltenberg.

O presidente polonês, Andrzej Duda, também afirmou que "não há indícios de que se trate de um ataque intencional contra a Polônia" e reiterou que é "bastante provável" que o míssil fosse ucraniano.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, também disse em Bali, na Indonésia, onde participa da cúpula do G20, que era "pouco provável" que o míssil procedesse da Rússia.

E a Casa Branca indicou depois que não havia "visto nada que contradissesse" a versão polonesa, embora isso não eximisse a Rússia de "responsabilidade" pelos bombardeios maciços que realiza na Ucrânia. 

Mas esses relatórios não convenceram Zelensky, que pediu acesso a "todas as informações" das quais dispõem seus aliados ocidentais na guerra que a Ucrânia trava contra a Rússia desde o fim de fevereiro, quando as tropas de Moscou invadiram seu país.

O secretário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa ucraniano, Oleksiy Danilov, disse que possuía "provas" do envolvimento russo e que estava disposto a entregá-las.

Por sua vez, as autoridades da Hungria, outro país da Otan, consideraram a atitude de Zelensky pouco "responsável".

A Rússia, em contrapartida, louvou a "reação comedida" de Washington.

Contudo, na localidade de Przewodow, os moradores estavam preocupados.

"Tenho medo. Não dormi durante a noite toda", disse Anna Magus, uma professora de 60 anos da escola primária do povoado.

'Evitar a escalada'

Depois do incidente, os líderes mundiais pediram que não houvesse conclusões precipitadas.

A China pediu "calma e moderação" e o chefe de governo alemão, Olaf Scholz, advertiu sobre o perigo que supõe chegar a conclusões "apressadas".

É "absolutamente essencial evitar a escalada da guerra na Ucrânia", assinalou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro e continua ocupando partes de seu território apesar de uma série de derrotas nos últimos meses, como a retirada na semana passada da cidade de Kherson (sul). 

O general americano Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas dos EUA, reconheceu nesta quarta-feira que é pouco provável que Kiev recupere o controle de todos os territórios ocupados pelo exército russo, muitos deles desde 2014, como a península anexada da Crimeia.

Moscou também enfrenta uma onda de sanções do Ocidente, que fizeram com que o país entrasse em recessão econômica, com duas quedas sucessivas de seu PIB, de 4,1% no segundo trimestre e de 4% no terceiro. (APF)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!