APOSTA DE RISCO

Para ser vice de Fuad, Damião quer garantia de vaga na Câmara dos Deputados

Verador, filiado ao União Brasil, teria receio de abrir mão da vaga quase garantida na Câmara Municipal de Belo Horizonte

Por Mariana Cavalcanti
Publicado em 20 de maio de 2024 | 06:00
 
 
 

Cotado para ser vice na chapa do prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman (PSD), que tentará a reeleição, o vereador Álvaro Damião (União Brasil) estaria negociando uma garantia do partido para o caso de não vencer as eleições municipais deste ano. Segundo apurou o Aparte, o parlamentar teria receio de abrir mão da vaga quase garantida na Câmara Municipal – no caso de tentar a reeleição – para se lançar candidato a vice-prefeito, em que há risco de não se eleger.

Fontes ligadas ao União Brasil revelaram à coluna que, para bater o martelo na candidatura a vice de Fuad Noman, Damião estaria negociando com o partido uma cadeira na Câmara dos Deputados. Isso porque ele é o primeiro suplente do partido como deputado federal. A ideia é que a legenda, que elegeu três deputados federais em 2022, se comprometa a “liberar” uma cadeira para Damião, em caso de derrota na Prefeitura de Belo Horizonte. 

O partido foi procurado para comentar a suposta negociação, mas não retornou o contato. Já Damião confirmou que foi procurado pelo prefeito Fuad Noman para discutir a possibilidade de uma construção de chapa, mas que tanto eles quanto os partidos continuam em fase de diálogo e que nada foi definido. 

Receio na Câmara

A candidatura de Álvaro Damião a vice-prefeito causa outra apreensão, desta vez ao partido: a de perder cadeiras na Câmara de BH. O receio se dá porque, como as eleições para vereador são proporcionais, os votos que a sigla e seus candidatos recebem contribuem diretamente para o número de cadeiras que eles conseguem conquistar na Casa.

O União Brasil também tem como vereadores Janaina Cardoso e Preto, e a pretensão é lançar uma chapa cheia para as eleições municipais, visando obter quatro cadeiras. Contudo, com a perda dos votos de Damião, a legenda receia conseguir só duas ou menos.

Em 2020, o jornalista foi o quinto vereador mais votado na capital, com 12.742 votos, pelo extinto Democratas, que se uniu ao PSL para formar o União Brasil, em 2021.

Na época, seu correligionário Leo Burguês foi eleito pelo PSL com cerca de 6.000 votos. Entretanto, após ser investigado por suspeita de rachadinha, Burguês renunciou ao cargo, em fevereiro de 2023, e Janaina Cardoso assumiu a vaga. Em 2020, ela havia conquistado 3.717 votos, ficando como primeira suplente. 

O terceiro vereador do partido é Wagner Messias, o Preto. Ele recebeu 3.587 votos em 2020 e ficou como segundo suplente. Assumiu a cadeira em março deste ano, depois de os vereadores Wesley Moreira (Progressistas) e César Gordin (Solidariedade) perderem seus mandatos. Procurados pela reportagem, Janaina Cardoso e Preto confirmaram que pretendem tentar a reeleição.

Por ora, o destino de Álvaro Damião ainda não foi decidido: se ele tentará a reeleição como vereador ou se arriscará a vaga como vice-prefeito na chapa de Fuad. Fato é que, se ele deseja concorrer a um cargo público, seja no Legislativo, seja no Executivo, ele terá de se afastar de seus trabalhos como radialista e apresentador de TV até 30 de junho.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!