Recuperar Senha
Fechar
Entrar
20/02/18

Agendas públicas conjuntas de Lacerda e Dinis indicam que aliança está quase fechada

márcio lacerda

Aproveitando-se da indefinição dos concorrentes, o ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda está viajando pelo interior do Estado e reunindo-se com aliados para consolidar sua pré-candidatura ao governo de Minas Gerais nas eleições deste ano pelo PSB. Para dar mais sustentação a seu nome, agora ele deve contar com a presença do ex-presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais Dinis Pinheiro (PP) em encontros no interior com políticos e com lideranças.

Foi assim no último sábado, quando eles se reuniram com cerca de 400 representantes de diversos setores na região da Pampulha, em Belo Horizonte. Dinis e Lacerda publicaram em suas redes sociais fotos dos dois juntos no encontro, que foi organizado pelo vereador da capital mineira Professor Wendel Mesquita (PSB). As publicações foram interpretadas por aliados como uma sinalização de que a aliança entre os dois políticos está praticamente fechada.

Como o Aparte adiantou, a candidatura de Dinis ao comando da administração estadual perdeu força nas últimas semanas por conta da falta de apoio de siglas e por uma insatisfação com o nome dele dentro do próprio partido. Por isso, segundo uma fonte socialista, as conversas entre o pepista e Lacerda estão adiantadas. “É grande a possibilidade de casamento entre os dois. Não falamos ainda de data, mas a aliança já está na mão direita. A tendência é que eles façam, a cada dia mais, agendas em conjunto por todo o Estado”, revelou.

De acordo com um interlocutor que acompanha o processo de construção da chapa, não está definido ainda se o ex-presidente da Assembleia concorrerá ao cargo de vice-governador ou a uma vaga no Senado. Há duas possibilidade para que esse acordo se viabilize. O primeiro é que o PP decida caminhar junto com o PSB. Essa hipótese é considerada mais difícil porque a legenda é mais próxima do senador Aécio Neves, defensor da candidatura do deputado federal Rodrigo Pacheco, que hoje está no MDB, mas deve migrar para o DEM.

O caminho considerado mais viável é que Dinis filie-se ao Solidariedade. De acordo com interlocutores, o presidente nacional da sigla, o deputado federal Paulinho da Força, teria dado ao ex-deputado poder para escolher como a agremiação em Minas vai se posicionar nas eleições deste ano e o cargo para o qual ele vai se candidatar. “O Dinis foi presidente da Assembleia, é um cara muito jeitoso com vereadores e prefeitos. Ele soube cultivar as amizades no interior. E a aliança entre ele e o Marcio é muito bem aceita pelos membros do PSB no interior. De um lado, temos o Lacerda, que é conhecido por ser um ótimo gestor, e do outro alguém que é mais político”, explicou um aliado.

Além dessas negociações, o ex-prefeito de Belo Horizonte está com tratativas com outros partidos, como PDT, PSD e PPS. Se Dinis Pinheiro optar, por exemplo, por ser candidato ao Senado, um representante dessas três legendas pode ocupar o posto de vice. A preferência é por alguém do interior, já que Lacerda é mais conhecido na região metropolitana da capital mineira. Para suprir isso, ele tem viajado pelos municípios de Minas. Somente nesta semana ele deve desembarcar em outros sete, na região do Vale do Jequitinhonha. Com esse roteiro, o socialista deve chegar à marca de 140 municípios mineiros visitados.

“Enquanto os concorrentes não resolvem quem vai ser ou não candidato, estão brigando, o Marcio tem feito a parte dele e consolidado a pré-candidatura, conversando com partidos e lideranças. Claro que todas as decisões somente virão com a convenção partidária, em junho, mas o trabalho está sendo feito já de forma adiantada”, disse a fonte. (Fransciny Alves)

R$ 3,4 mi

É quanto custa, por ano, aos cofres públicos o aluguel de 85 carros para servir aos 81 senadores, ao diretor geral da Casa, ao secretário geral da Mesa, ao presidente do Senado e a sua segurança. O serviço é para deslocamentos no Distrito Federal e seu entorno. 

Má-fé em Lima Duarte

Cerca de 20 ex-agentes políticos de Lima Duarte, na Zona da Mata, terão que devolver salário recebido ilegalmente. Em decisão transitada em julgado, ou seja, contra a qual não cabe mais recurso, a Justiça atendeu pedido do Ministério Público de Minas e declarou a inconstitucionalidade e a nulidade de duas leis municipais que, em 2012, aumentaram os subsídios do então prefeito, vice, 11 vereadores e oito secretários municipais. “Ao votarem as leis dois dias antes das eleições municipais, os vereadores, embora não conhecessem o resultado, já possuíam expectativas concretas de sucesso ou fracasso frente ao pleito eleitoral que se sucederia no dia seguinte”, afirma a promotora de Justiça Natália Salomão de Pinho.

FOTO: Moisés Silva - 15.9.2017

“É uma intervenção decidida dentro de um gabinete, sem discussão com as Forças Armadas. Nosso lado não está satisfeito. Estamos aqui para servir à pátria, não para servir a esse bando de vagabundos.”

Jair Bolsonaro

Deputado federal (PSC-RJ)

Fraude em Uberlândia

O Ministério Público do Estado, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Uberlândia, deflagrou ontem a primeira fase da operação Poseidon, que apura fraude no valor de R$ 12 milhões em contratos administrativos firmados entre o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) e a empresa Araguaia Engenharia Ltda. A operação, que teve início com a denúncia de um vereador da cidade, investiga ilícitos penais de associação criminosa, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva e ativa, além de lavagem de dinheiro, todos relacionados aos Contratos Administrativos 158/2009, 67/2010 e 68/2010, firmados entre a autarquia municipal e a empresa.