Recuperar Senha
Fechar
Entrar
24/06/17

Maioria dos deputados da ALMG tentará a reeleição

Somente dez dos 77 deputados estaduais mineiros devem tentar uma vaga na Câmara Federal em 2018. A grande maioria pretende trabalhar pela reeleição e manutenção da vaga na Assembleia Legislativa de Minas Gerias (ALMG). E, até agora, nenhum parlamentar deu indicativo de que vai desistir da vida política. Esse cenário somente vai mudar, na avaliação de deputados ouvidos pelo Aparte, se o sistema eleitoral for alterado durante a discussão da reforma política no Congresso Nacional.

Presidente da Assembleia de Minas, Adalclever Lopes (PMDB) pode tentar uma vaga na Câmara no pleito de 2018. Hoje, o pai dele, o deputado federal Mauro Lopes (PMDB), é quem representa a família em Brasília. É dito nos bastidores que Mauro,que tem 81 anos, pode aposentar-se para deixar o caminho livre para o filho. Uma outra possibilidade ventilada, principalmente por aliados do governador Fernando Pimentel (PT), é que Adalclever se candidate a vice numa chapa encabeçada pelo petista.

Deputado estadual mais votado nas eleições de 2014, Paulo Guedes (PT) também vai pleitear uma cadeira no Legislativo federal no ano que vem. Há três anos, ele recebeu 164.831 votos. Se Guedes estivesse tentando um cargo em Brasília na época, ficaria entre os dez deputados federais mineiros mais votados. Do mesmo partido, Rogério Correia também pretende candidatar-se à Câmara dos Deputados.

Com mais de 1 milhão de seguidores no Facebook, Noraldino Júnior (PSC) também quer ser deputado federal em 2018. Outro nome ventilado é o do representante do Triângulo Mineiro na Casa, o deputado Felipe Attiê (PTB). Já Laffayete Andrada (PSD) vai tentar uma vaga na capital do país, com o intuito de assumir o posto do pai, o deputado federal Bonifácio Andrada (PSDB), que pode disputar o Senado em 2018. Em seu quarto mandato na Assembleia, Gilberto Abramo (PRB), segundo aliados, já se mostrou pronto para entrar na disputa pela Câmara Federal.

Segundo parlamentares ouvidos pela coluna, a maioria dos deputados estaduais deve tentar manter-se na Assembleia porque trabalha nas eleições com a chamada “dobra”. “Eu, como deputado estadual, faço campanha com outro candidato a federal. Assim, a chance de os dois conseguirem mais votos é bem maior. E, como a maioria dos federais deve tentar a reeleição, não tem como disputar”, afirmou um deputado.

Na Casa também é comentado que o cenário vai ficar mais claro a partir de outubro, quando vai se ter a resposta se o sistema eleitoral vai mudar. Vários parlamentares querem que o modelo “distritão”, em que os mais votados são eleitos, seja aprovado. “Como já somos deputados, temos mais chances do que os novatos no distritão, ainda mais com um corte de cerca de 55 mil votos. E aí tem aqueles deputados eleitos com poucos votos que podem pensar duas vezes se vão disputar a eleição”, declarou um político. (Fransciny Alves)

Farpas tucanas

FOTO: DIáRIO GRANDE ABC / REPRODUÇÃO

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), trocaram farpas nessa sexta-feira (23). Durante palestra, FHC citou o prefeito ao falar de políticos que usam as redes sociais. “Por que o prefeito de São Paulo está fazendo algum sucesso? Porque ele manipula isso (celular) o tempo inteiro. Ele mudou alguma coisa? Eu não vi, mas isso aqui ele sabe fazer (comunicação)”, afirmou. Doria rebateu: “Respeito e admiro muito o ex-presidente, mas acho que ele está precisando sair um pouco de seu apartamento e visitar São Paulo.”

Juca por perto

O novo presidente da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte, Juca Ferreira, está morando, desde o início da semana, em um hotel na região Centro-Sul da capital mineira. O sociólogo e ex-ministro dos governos Dilma e Lula quer ficar perto da sede da prefeitura para não enfrentar trânsito e ficar mais próximo do movimento cultural da cidade. Por isso, ele já tem procurado na área central opções de apartamentos para alugar, com o intuito de mudar-se no próximo mês. Os servidores da cultura, assim como o prefeito Alexandre Kalil (PHS) e seu secretariado, estão satisfeitos com a escolha. A mais “feliz” do primeiro escalão é a secretária de Assuntos Institucionais, Adriana Branco, que foi responsável por indicar Juca para o cargo.

Frases do dia

“Há mais de um ano estamos gritando o ‘Fora, Temer’ nas ruas e agora estamos perto de realizar essa bandeira. Vamos realizar isso por caminhos que a gente nem imaginava, as coisas estão acontecendo.”
Carlos Zarattini, líder do PT na Câmara (SP) em relação às delações premiadas do empresário da JBS

“Pensem comigo: se com toda transparência está difícil punir os detratores do dinheiro público! Imaginem se voltar o sigilo (das delações).”
Janaina Paschoal uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma

Procuradores na Câmara

Representantes da Associação dos Procuradores Municipais de Belo Horizonte (Aprom-BH) já começaram a circular na Câmara Municipal em busca de apoio dos vereadores à derrubada de um possível veto do prefeito Alexandre Kalil (PHS) a emendas que dizem respeito à classe, que foram aprovadas junto ao texto-base da reforma administrativa. A articulação começou após o prefeito admitir essa possibilidade, nesta semana, em entrevista à rádio Super Notícia FM. Em nota, a entidade afirmou que a única emenda que não constava no texto acordado com a administração pública tratava do controle jurídico de legalidade da dívida ativa. Se vetada pelo prefeito, a emenda volta para análise da Câmara. E cabe aos vereadores manter a decisão de Kalil ou derrubá-la.

Escala de pagamento

O governo de Minas divulgou nessa sexta-feira (23) um ofício aos sindicatos informando a data de pagamento dos servidores no mês de julho, referente a junho. Segundo o informativo, o pagamento vai ser feito integralmente em 13 de junho para 75% dos servidores, que recebem até R$ 3.000. Para os funcionários que ganham acima desse valor, o governo vai depositar a primeira parcela também no dia 13, e as demais, nos dias 20 e 26 de julho. De acordo com o comunicado, o governo aguarda a aprovação de um conjunto de leis em análise pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) para conseguir recursos adicionais que permitam a reestruturação da escala de pagamento aos servidores. Desde fevereiro do ano passado, os funcionários da administração estadual estão recebendo os vencimentos de forma escalonada.