Saúde mental

Um em cada cinco diretores de empresas é psicopata, diz estudo 

Dado serve de alerta para companhias analisarem seus funcionários


Publicado em 22 de setembro de 2016 | 03:00
 
 
 
normal

São Paulo. Seu chefe parece tomar atitudes muito estranhas e que não respeitam o próximo? Age de forma que levanta suspeitas sobre sua saúde mental? Pois talvez você esteja lidando com um caso digno de tratamento. Um estudo realizado pela Universidade Bond, na Austrália, revelou que um em cada cinco CEOs ou diretores-executivos apresenta características clínicas de psicopatia. As informações são da agência de notícias Ansa.

Conduzida pelo psicólogo forense Nathan Brooks, a pesquisa analisou 261 perfis e notou que 21% deles mostravam-se potenciais psicopatas. Os principais traços desse transtorno de personalidade são a falta de empatia, a superficialidade e a desonestidade, mas tudo muito bem camuflado: eles também são manipuladores.

Segundo Brooks, as descobertas indicam que as empresas deveriam analisar as características psicológicas de seus funcionários mais atentamente, em vez de prestar atenção só em suas habilidades profissionais.

“Psicopatas são predispostos a serem pessoas que conseguem sucesso em curto prazo. Eles tendem a ser charmosos e extravagantes, o que os faz alcançar seus objetivos mais rapidamente, porém eles podem pagar com o fracasso em longo prazo”, explicou o psicólogo.

O estudo foi apresentado no congresso anual da Sociedade de Psicologia Australiana, em Melbourne, e chamou atenção dos outros pesquisadores pela quantidade de profissionais corporativos analisados. Brooks chegou à conclusão de que os resultados de sua pesquisa são muito semelhantes às porcentagens de psicopatia dentro de prisões.

“Psicopatas são encontrados, com certa frequência, em profissões como: política, negócios e esportes de risco”, disse o psicólogo Scott Lilienfeld, que também apresentou uma pesquisa no congresso.

Mundo. Em termos da população em geral, 1% é psicopata, segundo estimativas de especialistas. Já entre as pessoas presas, uma em cada cinco também pode ser considerada psicopata.

A forma mais branda e comum desse distúrbio de personalidade antissocial é a sociopatia. A psicopatia é a forma severa. O diagnóstico é difícil. Em comum, essas pessoas têm um comportamento que repetidamente causa danos para os outros e vai contra o bem-estar da sociedade.

Mortes. Os assassinos em série, segundo o médico, são uma pequena parcela dos portadores de psicopatia. Estima-se que nos EUA há 250 deles em ação.

Curto prazo

Trabalho. A relação entre líderes e psicopatia é antiga. Em 1941, o psiquiatra norte-americano Hervey Cleckley já havia sugerido que psicopatas têm mais sucesso profissional, ainda que no curto prazo.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!