Spray nasal

Vacinas por via intranasal são nova linha de combate contra Covid

Ao receber o medicamento diretamente nas mucosas nasais, os pacientes têm menos carga viral nos pulmões

Sex, 17/09/21 - 08h48
Foto ilustrativa

Uma nova linha de combate contra a covid-19 aparece no horizonte: as vacinas por via intranasal, um método promissor, mas que ainda precisa ser confirmado entre os humanos.

Os testes clínicos em animais na França estão apresentando resultados, a tal ponto que dois organismos públicos, o Inrae e a Universidade de Tours, apresentaram uma demanda de patente para um modelo.

A diretora da equipe de pesquisa BioMAP da universidade, Isabelle Dimier-Poisson, afirmou que os testes em ratos apresentaram “100% de sobrevivência” nos exemplares vacinados desta forma e depois infectados com a covid-19. Todos os ratos não vacinados faleceram, informou a cientista.

“Os animais vacinados estão 100% protegidos contra as formas sintomáticas e, a princípio, contra as formas graves do vírus. E como têm carga viral muito reduzida, não são mais contagiosos, o que é um dos aspectos interessantes da via nasal”, destacou Philippe Mauguin, presidente do Inrae, um instituto de pesquisas. 

Em um artigo publicado em julho na revista Science, os cientistas Frances Lund e Troy Randall destacaram que, na comparação com as vacinas intramusculares, as intranasais mostram duas camadas de proteção adicionais.

A primeira é representada pelos IgA, anticorpos que desempenham um papel crucial na função imunológica das mucosas.

Depois, aparecem as células B e T de memória, que residem nas mucosas respiratórias e formam uma barreira particular contra infecções.

“Quando o vírus infecta uma pessoa, geralmente entra pelo nariz, assim a ideia é fechar esta porta de entrada”, explica a diretora de pesquisa do Inserm, Nathalie Mielcarek, líder de uma equipe do Instituto Pasteur de Lille, que está trabalhando em um projeto de vacina nasal contra a coqueluche.

“Com as vacinas intramusculares a resposta imunológica nas mucosas não é muito duradoura, nem muito forte. Por isso é mais vantajoso imunizar em nível nasal”, destaca a imunologista e diretora de pesquisas no Instituto CochinMorgane Bomsel.

Vacina de reforço

As vacinas atualmente no mercado protegem contra os casos graves de covid-19, mas são menos eficientes contra a transmissão.

Ao receber o medicamento diretamente nas mucosas nasais, os pacientes têm menos carga viral nos pulmões, “ou seja, são casos menos graves e em consequência há menos risco de transmissão”, explica Nathalie Mielcarek.

No momento, existe apenas um modelo de vacina intranasal utilizado, contra a gripe, nos Estados Unidos.

De acordo com a OMS, há oito tratamentos em fase de avaliação clínica. O mais avançado está sendo desenvolvido por um grupo de universidades e empresas chinesas. Além disso, há dezenas em estudo.

Quando surgiu a covid-19, o Instituto Pasteur na França, associado à empresa Theravectys, desenvolveu rapidamente uma vacina que codificava o antígeno Spike, a proteína que permite ao SARS-CoV‑2 penetrar as células.

“Testamos diversas vias de administração e detectamos, nos ensaios pré-clínicos, que quando a injeção era realizada por via intranasal se alcançava a erradicação completa do vírus em animais”, explica a diretora de pesquisa do laboratório conjunto, Laleh Majlessi.

Outra vantagem do método intranasal é que representa uma barreira à propagação do vírus no cérebro.

E também parece eficaz contra todas as variantes do Sars-CoV-2, segundo Laleh Majlessi.

A vacina intranasal pode ser uma maneira eficaz de aplicar uma dose de reforço, nos países onde a população já recebeu duas doses prévias.

Ao permitir a redução da transmissão do vírus “poderia permitir um retorno à vida normal antes da pandemia, sem distanciamento social e sem máscara”, imagina Isabelle Dimier-Poisson.

 

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

(4) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Mateus Ferreira 9:33 AM Sep 17, 2021
Pra que isso? Basta triturar uns dois comprimidos de cloroquina e ivermectina (remédio pra gado), fazer uma carreira com o cartão de crédito ou gilete, pegar um canudo ou improvisar um com um pedaço de papel, dá uma cheirada daquelas bem forte e então tá de boa... o Presidente da República recomenda...
12
Denunciar

Vera Meuphal 7:16 PM Sep 17, 2021
Doidão só tem uma pessoa aqui você e deve ser de maconha seu verme vagabundo comunista vá lamber o saco desse Lula que te coçou aí nesse serviço de verme onde você prefere não trabalhar e ganhar fingindo ser funcionário público. Vagabundo fala mais pelo cu e vou fazer um exposed aqui e mostrar o lixo comunista que você é, outra coisa usar ip de repartição pública para comentar em jornal em hora de serviço é crime, seu criminoso vagabundo se puxar muito vai ser remunerado para comentar neste lixo de jornal que faz vista grossa!
12
Denunciar

Mateus Ferreira 12:29 PM Sep 17, 2021
Tá doidão de cloroquina e remédio de verme pra gado aí? Você acha que o corno desse Presidente aí não é adepto a umas cachaça também não? Liga não que os "jumentos vagabundos", que governaram o país por 16 anos, ano que vem estarão de volta, graças à Familícia corrupta das rachadinhas.
12
Denunciar

Vera Meuphal 9:55 AM Sep 17, 2021
que isso "Cumpanhero" basta tomar um gole de cachaça que os jumentos vagbundos que rerincharam 16 anos e agora se acham chamando os outros de gado que a covid acaba, tem aquele cacetre quadrado que petistra vai a loucura quando senta em cima e perde as pregas kkkkkkkkkkkkkkkkkk
12
Denunciar

LEIA MAIS
Cirurgia plástica
Cinema no espaço
Inédito
Bichanos sem risco
Entenda
Mobilidade elétrica
Armas
Aviação
Liberado
Livros