Fabricio Carpinejar

Poeta escreve todos os domingos no Magazine e no Portal O Tempo

Formiga com asas

Publicado em: Sáb, 04/12/21 - 03h00
 
Eu recebi a notícia de um prêmio literário. Avisei Beatriz gritando e pulando. Ela me encarou, séria, interrompendo a corrente de eletricidade em meu corpo: temos que comemorar. 
 
Logo pensei em algum restaurante, num brinde com cálices de cristal, num vinho bom, num banquete de noite. 
 
Mas vi ela arrumando a bolsa, colocando o tênis, pegando o boné, a máscara e enchendo uma mochila com aquilo que via pela frente. 
 
- Onde você vai?, perguntei. 
- Comemorar, uai - ela respondeu.
 
E me puxou pela mão, entramos no carro e ela me levou para a Praça do Papa, que estava deserta no início de manhã de um dia útil. 
 
Ela estendeu um cobertor e deitamos na grama, com Belo Horizonte crepitando ao fundo. O azul apresentava textura de guache. 
 
Ficamos mirando o céu, o formato das nuvens, os círculos dos pássaros, de mãos dadas. Como crianças tontas depois de rodopiar em ciranda. 
 
Não havia nem pipoqueira, nem vendedores de coco e algodão doce. Nem cachorros correndo e dando pinotes para alegria de seus donos. 
 
Experimentávamos o silêncio majestoso dos ipês em flor. 
 
Eu não entendia o propósito da saída repentina para um lugar vazio. Não contei nem com uma brecha para repassar a notícia para a família e amigos. 
 
Comentei que a nossa atitude soava como uma maluquice, que deixamos trabalho e demandas a cumprir, abandonamos tudo bagunçado: a cama desfeita e a louça do café na mesa. 
 
Ela me explicou: “não temos tempo nunca de comemorar as vitórias, daí elas são esquecidas. Se esperamos anoitecer, já somos uma outra pessoa”. 
 
De acordo com a sua teoria mineira, devíamos combater a pressa que traz a amnésia, a mecânica do descarte da velocidade dos fatos, de um evento que substitui o anterior, e não permite a fixação do contentamento. 
 
Ela congelava o tempo, respeitando o exato instante do nosso arrebatamento, não fazendo nada, curtindo a saliva na boca, saboreando a luz no rosto. 
 
Hora de não falar do futuro, de não planejar os próximos meses, de não controlar os compromissos, apenas de agradecer. 
 
Nosso único trabalho se resumia a enxaguar o suor da testa e rir da nossa inesperada fuga para um parque. 
 
Começou a fazer muito sentido abrir uma página em branco na rotina para guardar uma lembrança. Um papel-vegetal protegia a fotografia como nos antigos álbuns. 
 
Serenamos ali por quarenta minutos, mudos, reprisando a vida, baixando o ritmo da ansiedade, encaixotando as ideias. 
 
Foi quando observamos formigas com asas pulando em nossas pernas. 
 
- Tão estranho uma formiga com asas - ela apontou. Parece que ela conseguiu o impossível. As formigas são operárias e, de repente, pela disciplina, conseguem voar. Será uma recompensa? 
 
- É o amor, Beatriz. O amor oferece isso. A formiga de asa significa o voo nupcial, o voo de acasalamento, de rainhas recém-formadas e de machos. 
 
Naquela manhãzinha, éramos formigas com asas. Por um momento, voávamos sobre as dificuldades do mundo híbrido.

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.