fim das atividades

Após escândalo das pizzas contaminadas, Nestlé fecha fábrica na França

Empresa justificou o encerramento pela queda das vendas, uma vez que teve que retirar o alimento do mercado após a morte de crianças por intoxicação

Por Agência
Publicado em 30 de março de 2023 | 10:21
 
 
 

O grupo Nestlé anunciou nesta quinta-feira (30) o encerramento definitivo de uma fábrica de produtos da marca Buitoni em Caudry (norte), um ano depois de pizzas contaminadas terem causado a morte de dois menores e dezenas de intoxicações. A Nestlé justificou o encerramento pela queda das vendas e afirmou que vai lançar um processo para tentar encontrar um comprador para a fábrica, a sua "prioridade nos próximos meses", informou em nota enviada à AFP. 

"Nenhuma demissão será notificada antes de 31 de dezembro de 2023", disse a gigante suíça, que prometeu oferecer ao quadro de 140 funcionários permanentes "uma oportunidade de realocação interna".  A fábrica produzia pizzas congeladas Buitoni Fraîch'Up, que podem ter causado a morte de duas crianças e a intoxicação de dezenas de outros consumidores pela bactéria Escherichia coli. 

O caso remonta a fevereiro de 2022, quando a inspeção sanitária francesa (SPF) e a diretoria de combate à fraude (DGCCRF) foram alertadas sobre o ressurgimento de casos de insuficiência renal em crianças devido à contaminação por E. coli.

Em 18 de março de 2022, a Nestlé retirou as pizzas do mercado e interrompeu a produção. A prefeitura proibiu qualquer atividade na fábrica depois que as autoridades de saúde estabeleceram um vínculo entre o consumo de pizzas e vários casos graves de intoxicação. 

O Ministério Público de Paris abriu uma investigação de homicídio culposo em relação às duas mortes e a ferimentos involuntários em outras 14 pessoas, segundo uma fonte judicial. 

O grupo afirmou que a "contaminação da farinha" seria a explicação "mais provável" para a presença da bactéria nas suas pizzas, mas segundo a prefeitura, a inspeção sanitária revelou a "presença de roedores" e uma "falta de manutenção e limpeza nas áreas de produção". 

"Vou me reorientar, mas tenho 50 anos. Na fábrica já somos mais velhos, vai ser muito difícil", lamentou Christophe Dumez, auxiliar de cozinha há 30 anos no estabelecimento, que se reuniu nesta quinta-feira com outros trabalhadores em frente à fábrica. (AFP) 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!