inimigos

EUA anuncia medidas para facilitar acesso de iranianos à internet

Irã vive onda de protestos, contrários à violência da polícia moral, e bloqueou redes sociais para evitar comunicação entre manifestantes

Por Agências
Publicado em 23 de setembro de 2022 | 18:00
 
 
 

Os Estados Unidos anunciaram nesta sexta-feira (23) o levantamento de algumas restrições comerciais ao Irã, a fim de ampliar o acesso dos iranianos a serviços de internet, que foi limitado pelo governo da República islâmica em meio a uma forte repressão a manifestantes.

Após a morte de uma jovem detida pela polícia moral, que desencadeou uma onda de protestos no país, Teerã impôs restrições drásticas à internet, incluindo o bloqueio ao Instagram e ao Whatsapp.

“Diante dessas decisões, ajudaremos para garantir que o povo do Irã não fique isolado e no escuro”, prometeu o secretário de Estado americano, Antony Blinken, em um comunicado.

“É um passo concreto para dar suporte significativo aos iranianos que exigem o respeito a seus direitos básicos”, acrescentou.

O Irã foi sacudido por manifestações pela morte de Mahsa Amini, que faleceu depois de ser presa por usar seu hijab, o véu islâmico, de forma “inadequada”. A mulher curda de 22 anos passou três dias em coma e não resistiu.

De acordo com os meios de comunicação estatais, 17 pessoas já morreram nesses protestos, mas ONGs apontam que esse número ultrapassa 36 mortos.

A medida do governo do presidente americano, Joe Biden, “ampliará a gama de serviços de internet disponíveis para os iranianos. Com essa mudanças, estamos ajudando o povo do Irã a estar melhor equipado para combater os esforços do governo para monitorá-los e censurá-los”, disse o subsecretário do Tesouro, Wally Adeyemo, em nota.

A modificação da licença de exportação permitirá o acesso a vários softwares, como ferramentas de antivírus, serviços de computação na nuvem e videoconferência, segundo o Tesouro.

No entanto, funcionários americanos reconheceram a jornalistas que a decisão não tem um impacto imediato pois “não elimina todos os instrumentos de repressão nas comunicações”.

“Com o tempo, dará aos iranianos mais elementos para lidar com os esforços de repressão do governo”, afirmou um alto funcionário do Departamento de Estado em coletiva de imprensa por telefone.

O bilionário Elon Musk anunciou recentemente que pediria ao Tesouro uma permissão de exportação para que sua empresa de internet por satélite, a Starlink, ofereça serviços ao Irã.

A medida desta sexta foca em software, não em hardware, disse uma autoridade do Tesouro a jornalistas, mas encorajou a Starlink e outros a apresentar suas solicitações.

(AFP)
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!