Presidência

Paraguai: Santiago Peña é eleito e discutirá revisão de acordo de Itaipu

Eleição no país vizinho tem especial importância para o Brasil em razão do Tratado da Usina de Itaipu

Por Agências
Publicado em 30 de abril de 2023 | 21:18
 
 
 
normal

Santiago Peña, do Partido Colorado, foi eleito neste domingo (30), com 43,5% dos votos o novo presidente do Paraguai ao derrotar, Efraín Alegre, do Partido Liberal, que teve 27,6%. A eleição no país vizinho tem uma especial importância para o Brasil em razão da revisão neste ano do Tratado da Usina de Itaipu.

Peña, um economista de 44 anos, foi a aposta do Partido Colorado - há sete décadas no poder - contra Alegre, um advogado de 60 anos, que reuniu uma coalizão com partidos de centro e de esquerda para chegar à presidência depois de ter sido derrotado em 2013 e em 2018. Pouco antes de reconhecer a derrota, Alegre se reuniu com seu principal aliado da coalizão opositora, o ex-presidente Fernando Lugo.

Resultados preliminares indicavam ontem que os colorados devem ampliar sua bancada no Senado e na Câmara.

Itaipu

O eleito será o futuro interlocutor do Brasil na revisão do Anexo C do Tratado de Itaipu, que estabelece as bases financeiras e de prestação dos serviços de eletricidade da usina, marcada para agosto.

Assinado em 1973, o acordo já previa a amortização das dívidas contraídas pela usina, que acabaram de ser pagas no mês passado, e mudanças nas demandas elétricas dos dois países. Por isso, estabelecia a revisão do texto dentro de 50 anos.

De acordo com o Tratado de Itaipu, toda a energia produzida deve ser dividida entre os dois países. O Paraguai historicamente nunca usou toda a geração a que tem direito, e pelo acordo se vê obrigado a vender o excedente para o Brasil.

Ao Estadão, ainda durante a campanha, Peña disse que estar otimista sobre o papel da usina para os próximos 50 anos. "Estou otimista para poder negociar isso com Lula. Ele é uma pessoa com experiência e há testemunhas de que quer fortalecer os vínculos entre os dois países", afirmou.

Taiwan

Outros temas presentes na campanha que devem influenciar o governo de Peña é o controle da criminalidade e do contrabando na fronteira e a relação do Paraguai com Taiwan. 

O Paraguai faz parte de um clube cada vez menor de 13 países, a maioria pequenas nações insulares, que mantêm relações com Taiwan e não com a China. A amizade Paraguai-Taiwan - firmada por seus ditadores em 1957 - continua forte. Taiwan pagou pelo prédio modernista do Congresso do Paraguai e forneceu seu jato presidencial. Mas os agricultores do país enfrentam obstáculos para exportar soja e carne bovina para a China como resultado. 

A polícia paraguaia reportou ontem seis prisões em ocorrências relacionadas às eleições, duas delas em um caso de lesão corporal. 

Influência
 

O Partido Colorado governou o Paraguai durante a maior parte das últimas sete décadas, sob a ditadura e sob a democracia. A exceção foi o período do esquerdista Fernando Lugo no poder, entre 2008 e 2012. O ex-bispo, porém, sofreu um impeachment. 

Apesar do amplo domínio sobre a política paraguaia, o Partido Colorado está dividido em facções. Peña, um aliado do ex-presidente Horacio Cartes, representa o Honor Colorado, ala majoritária da legenda. 

Sua campanha, no entanto, sofreu um abalo no começo deste ano quando o governo americano impôs sanções a Cartes, por supostos vínculos com a milícia xiita libanesa Hezbollah, suspeita de ter vínculo com comunidades de imigrantes na tríplice fronteira. Cartes é suspeito também de falsificação de cigarros. Ele tem diversos negócios no país. 

Peña perdeu capacidade de financiamento e viu nas últimas pesquisas um crescimento de Alegre, que chegou a estar empatado tecnicamente com ele. A eleição presidencial paraguaia ocorre em turno único e é vencida por maioria simples para um período de cinco anos, sem possibilidade de reeleição imediata.

Resultado
 

O terceiro colocado na disputa foi Paraguayo Cubas, de 61 anos, um ex-senador de extrema direita que ganhou votos na reta final com um discurso populista e anticorrupção. Ele já havia atraído as manchetes por chicotear um juiz com o cinto. Cubas fez sua campanha nas redes sociais, classificando o Congresso como uma caverna de bandidos e sugerindo que governaria como um ditador. (Estadão Conteúdo com agências internacionais)

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!