Recuperar Senha
Fechar
Entrar
23/03/17

Moradores de Brumadinho protestam contra vale-alimentação de vereadores

A população de Brumadinho, na região metropolitana, vai realizar na noite desta quinta-feira (23) um protesto na Câmara Municipal. O objetivo é pressionar os vereadores a revogar o projeto, aprovado no mês passado, que institui um cartão-alimentação no valor de R$ 735 mensais – que corresponde à quantia diária de R$ 24,50 – aos 13 parlamentares do Legislativo municipal. A matéria foi sancionada neste mês pelo prefeito Nenén da Asa (PV).

Pelos cálculos do próprio Legislativo, a criação dessa nova rubrica vai custar R$ 9.555, por mês, aos cofres públicos, chegando à cifra de R$ 105,1mil neste ano, já que o benefício começou a vigorar a partir de fevereiro. Segundo a justificativa do projeto, a Câmara “possui recurso para suportar as novas despesas”. O texto do projeto diz ainda que o valor vai ser atualizado monetariamente com periodicidade não inferior a 12 meses, com base no IPCA registrado no período.

Os moradores da cidade estão articulando-se para que a partir das 18h desta quinta-feira (23) seja realizado um protesto durante a sessão ordinária. “Os vereadores se reúnem duas vezes por mês, qual a necessidade desse cartão? Foi votado na surdina”, afirmou um dos organizadores da manifestação.

A proposição recebeu o voto favorável de nove dos 13 políticos. Posicionaram-se a favor: Toninho da Rifel (PV), Bruno Fernandes (PSB), Flávio Miranda Carvalho (PTC), Ninho (PP), Ivam Egg (PR), Juca Dornas (PV), Zé Raimundo (PTC), Xodó (PRB) e Geada (PR). Os vereadores Professor Caio (PTB), Professor Hideraldo Santana (PSC) e Max Barrão (PP) foram contrários ao projeto. A presidente da Casa, Alessandra do Brumado (PPS), não vota.

Questionada sobre o porquê da apresentação do projeto, a assessoria de imprensa da Câmara afirmou que a Mesa Diretora propôs o texto após ter sido procurada por vereadores. Eles questionaram o fato de o prefeito, vice-prefeito e os secretários municipais receberem o tíquete-alimentação – como previsto nas Leis 1.461, de 2005, e 1.728, de 2009 –, enquanto os parlamentares, “que são também agentes políticos, não tinham direito ao referido tíquete”. A assessoria ainda salientou que, de todos os agentes políticos da cidade, o vereador é o que recebe a menor remuneração: R$ 7.480,62. (Fransciny Alves)

Para “bombar”

FOTO: Reprodução

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), mudou sua estratégia para ganhar popularidade nas redes sociais e passou a adotar um estilo semelhante ao de seu afilhado político, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), que tem forte presença nessas plataformas. Alckmin passou a apostar em vídeos em que aparece divulgando suas agendas diárias, a exemplo do que faz Doria. Apenas neste ano, após a posse do prefeito, foram 43 vídeos divulgados pelo Facebook, a maioria deles nesse novo estilo. O número representa mais do que o dobro das 21 postagens feitas em todo o ano passado pelo governador. 

Peregrinação

A agenda do ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) anda agitada. Como presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), ele está percorrendo as principais capitais e cidades-polo do país para divulgar o IV Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável – que ocorrerá entre 24 e 28 de abril e marcará o fim de seu mandato na FNP. Mas Lacerda já está de olho no governo de Minas e tem-se movimentado para isso. No sábado, durante uma reunião em Muriaé, na Zona da Mata, ele ganhou o apoio do ex-deputado Lael Varella (DEM). Segundo fontes, o objetivo é que essas visitas o ajudem a ganhar apoio de lideranças locais para chegar forte às eleições de 2018.

Bom Sucesso

Os moradores de Bom Sucesso, na região Centro-Oeste do Estado, lotaram nessa terça-feira (21) a sessão da Câmara Municipal para pressionar os parlamentares a reduzir seus subsídios em 50%. Como o Aparte mostrou, os vereadores aprovaram na última semana, em caráter de urgência, o reajuste de 6,58% em seus salários, que passaram de R$ 5.373 para R$ 5.673, o que motivou a população a ir para as ruas. A pressão começou a surtir efeito, e, segundo o Legislativo, o projeto que revoga a recomposição salarial começou a tramitar na Casa e deve entrar em pauta na próxima terça-feira. Ainda segundo a Câmara, a proposta que reduz pela metade os salários está sendo estudada pela a assessoria jurídica.

“A lista fechada não passa. Na década de 90, defendi a lista fechada, mas o momento é inoportuno, pois a opinião pública vai enxergar que as lideranças estão querendo se esconder atrás da lista.” Marcus Pestana, deputado federal (PSDB-MG)

Leopoldina

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manteve a decisão monocrática do ministro Napoleão Nunes Maia Filho que reverteu, em dezembro, a decisão de primeira instância que indeferiu o registro de candidatura da chapa mais votada de Leopoldina, na Zona da Mata. A decisão favorável ao prefeito eleito Zé Roberto (PSC), que está em seu quinto mandato, foi dada nessa terça-feira (21) pela Corte. O prefeito havia sido condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Minas por crime contra a administração pública. Na época, foi dito que, quando em exercício do cargo de prefeito, ele deixou de fornecer, por duas vezes, dados requisitados pelo Ministério Público para fundamentar ajuizamento de ação civil pública.

R$ 53.902

É o valor que a Câmara Municipal de Nova Lima vai despender para a contratação de empresa para o fornecimento de lanches diários aos funcionários responsáveis pela faxina e pela vigilância da Casa. O contrato tem vigência de um ano