população

Censo IBGE: população do Centro-Oeste é a que mais cresce no Brasil

Taxa indica um crescimento de 1,23% ao ano, mais do que o dobro da média do país, de 0,52%


Publicado em 28 de junho de 2023 | 10:37
 
 
 

O Centro-Oeste brasileiro teve o maior crescimento populacional da última década entre as regiões brasileiras, segundo dados do Censo Demográfico 2022 divulgados pelo IBGE nesta quarta-feira (28). A taxa indica um crescimento de 1,23% ao ano, mais do que o dobro da média do país, de 0,52%.

Em segundo lugar aparece o Norte, que viu esse índice de crescimento cair a 0,75%, menos da metade do registrado no período de 2000 a 2010, que foi de 2,86%. Completam a lista o Sul, com 0,74%, o Sudeste com 0,45%, e o Nordeste, com 0,24%.

Formada por Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal, o Centro-Oeste também apresentou o maior aumento na participação relativa da população do país, com 0,6% a mais do que a última contagem, em 2010, chegando a 8%. Em seguida, vêm o Sul, com 0,3%, e o Norte, com 0,2%.

Nordeste e Sudeste perderam, respectivamente, 0,9% e 0,3% de participação na população do país, que chegou a 203 milhões de habitantes, contingente abaixo da previsão divulgada pelo IBGE.

Entre os estados e o Distrito Federal, a população se divide em 7,05 milhões em Goiás (6 milhões em 2010); 3,65 milhões em Mato Grosso (3,03 milhões em 2010); 2,81 milhões no Distrito Federal (2,57 milhões em 2010) e 2,75 milhões em Mato Grosso do Sul (2,44 milhões em 2010).

Terceira cidade mais populosa do país, Brasília chegou a 2,81 milhões de habitantes, com aumento de 9,6% em relação a 2010. Em décimo lugar, Goiânia cresceu 10,4%. Campo Grande (MS), que também figura entre as 20 mais populosas, teve aumento de 14,1%. Cuiabá, por sua vez, cresceu 18%.

O município goiano de Abadia de Goiás foi o que mais cresceu em domicílios, saindo de 2.644 em 2010 para 7.866 na edição atual, um crescimento de 197,5%. Senador Canedo, também no estado, foi a que mais cresceu relativamente no Brasil.

O crescimento anual da população no Centro-Oeste, assim como no resto do país, vem desacelerando. A taxa atual é quase metade da registrada entre 1991 e 2000, com crescimento de 2,39% ao ano.

Na região Norte, o Pará lidera com 8,11 milhões de pessoas, seguido por Amazonas (3,94 milhões), Rondônia (1,58 milhões), Tocantins (1,51 milhões), Acre (830 mil), Amapá (733 mil) e Roraima (636,3 mil).

No Sudeste, que perdeu 0,5% de participação relativa da população brasileira, São Paulo  concentra a maior parte da população com folga, com 44,4 milhões de habitantes. Minas Gerais tem 20,5 milhões, o Rio de Janeiro, 16 milhões, e o Espírito Santo, 3,8 milhões de habitantes.

O Nordeste, com a taxa anual de crescimento populacional mais baixa do país na década, tem a Bahia na liderança, com 14,1 milhões de habitantes. A região também teve a maior redução na participação da população nacional, caindo de 27,8% para 26,9%.

Seguem a lista Pernambuco (9 milhões), Ceará (8,79 milhões), Maranhão (6,77 milhões), Paraíba (3,97 milhões), Rio Grande do Norte (3,3 milhões), Piauí (3,26 milhões), Alagoas (3,12 milhões) e Sergipe (2,2 milhões).

No Sul, o Censo registrou 11,4 milhões de habitantes no Paraná, 10,8 milhões no Rio Grande do Sul e 7,69 milhões em Santa Catarina. (Folhapress) 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!