CENTRO DE BH

Estragada há 4 anos, estátua da praça Rui Barbosa, em BH, vira apoio de abrigo para quem vive na rua

Fundação Municipal de Cultura não têm prazo para compra de novo monumento; prazo para consertá-lo foi perdido

Por Isabela Abalen
Publicado em 10 de junho de 2024 | 17:13
 
 
 

As estátuas de tigres da praça Rui Barbosa já foram uma das marcas do Centro de Belo Horizonte. Houve uma época em que as crianças posavam em frente aos monumentos, em um registro que parece difícil de voltar a acontecer. Há pouco mais de quatro anos, o cenário denuncia um abandono. Uma das estátuas está quebrada desde abril de 2020 e, sem prazo para conserto ou substituição, virou apoio para abrigo de pessoas em situação de rua. 

O monumento deveria ter sido reparado até o primeiro semestre de 2021, como prometeu a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) à época. O projeto tinha um custo de R$ 45 mil, mas nunca chegou a acontecer. Questionada sobre o motivo da estátua não ter sido restaurada, a PBH não respondeu. Segundo a Fundação Municipal de Cultura (FMC), novas réplicas dos monumentos serão produzidas “no intuito de substituir as danificadas”. O órgão não informou, no entanto, qual o prazo para que a mudança ocorra, nem quanto custará esta nova confecção. 

A Fundação afirmou, apenas, que as estátuas de tigres da praça Rui Barbosa são réplicas. “As originais foram restauradas e encontram-se no Museu de Artes e Ofícios (MAO)”, disse. De fato, os monumentos originais foram esculpidos em mármore branco de Carrara pelo artista Antônio Folini e tombadas pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha).

Acordo para manutenção da praça Rui Barbosa só durou quatro meses 

A manutenção da praça Rui Barbosa havia sido “adotada” pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT) em dezembro do ano passado. O TRT, então, assumiu o compromisso com a limpeza do local, o reparo e a conservação da pavimentação, do mobiliário e da infraestrutura, além do controle de pragas e a irrigação das áreas verdes. Mas o acordo que deveria durar cinco anos só se manteve por cerca de quatro meses. 

O TRT informou que rescindiu o termo de cooperação com a prefeitura de BH em abril deste ano, não sendo mais responsável pela gestão ou manutenção da praça. A instituição se eximiu da responsabilidade sobre as estátuas expostas na praça que fica em frente ao Centro Cultural da Justiça do Trabalho. 

O que diz a Prefeitura de BH na íntegra?

"A Fundação Municipal de Cultura informa que as estátuas de tigres localizadas na Praça Rui Barbosa são réplicas. As originais foram restauradas e encontram-se no Museu de Artes e Ofícios - MAO.

A Diretoria de Patrimônio Cultural trabalha no momento para que novas réplicas destes monumentos sejam produzidas no intuito de substituir as peças danificadas na Praça Rui Barbosa."

O que diz o TRT? 

"Em 12 de abril de 2024, o Tribunal rescindiu o termo de cooperação celebrado com a Prefeitura Municipal, eximindo-se de qualquer responsabilidade pela gestão ou manutenção da Praça Rui Barbosa a partir dessa data. Ressalta-se que essa informação foi devidamente publicada."

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!