Conflito na Europa

Coreia do Norte nega que esteja fornecendo armas de guerra para a Rússia

Após acusação dos Estados Unidos, um alto funcionário norte-coreano refutou as acusações e advertiu que os americanos vão enfrentar um resultado realmente indesejável se persistirem em difundir o que chamou de rumores inventados

Por Agências
Publicado em 29 de janeiro de 2023 | 08:47
 
 
 

A Coreia do Norte negou neste domingo (29) que esteja fornecendo armas a Moscou, depois que os Estados Unidos afirmaram que o país asiático envia foguetes e mísseis a membros do grupo paramilitar russo Wagner. 

Washington designou no começo do mês o grupo Wagner como uma "organização criminosa transnacional", citando seus acordos de armas com Pyongyang, que violam resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

A Casa Branca divulgou fotos da inteligência americana de vagões chegando na Coreia do Norte, recolhendo uma carga de foguetes de infantaria e mísseis, e voltando à Rússia, segundo o porta-voz de segurança nacional, John Kirby.

Em comunicado divulgado pela estatal Agência de Notícias da Coreia, um alto funcionário norte-coreano refutou as acusações e advertiu que os Estados Unidos vão enfrentar um "resultado realmente indesejável" se persistirem em difundir o que chamou de "rumores inventados".

"Tentar manchar a imagem de (a Coreia do Norte), fabricando algo inexistente é uma provocação grave que nunca pode ser permitida e que não pode mais que provocar uma reação", disse Kwon Jong Gun, diretor-geral do Departamento de Assuntos sobre os Estados Unidos.

Aliados históricos

Ao lado da China, a Rússia é um dos poucos aliados internacionais da Coreia do Norte.

Além da Síria e da Rússia, a Coreia do Norte é o único país que reconheceu a independência das regiões separatistas de Lugansk e Donetsk, apoiadas pela Rússia no leste da Ucrânia.

A Rússia, um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, é contrária à intensificação das sanções internacionais contra a Coreia do Norte e, inclusive, defende a redução das medidas por motivos humanitários.

Em uma reunião neste domingo em Seul com o ministro sul-coreano das Relações Exteriores, Park Jin, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, expressou preocupação com a postura de Pyongyang, tanto por seus "perigosos" testes nucleares como por seu "apoio ao esforço bélico da Rússia" na Ucrânia.

Em setembro, o líder norte-coreano Kim Jong Un declarou seu país como um Estado nuclear "irreversível". O regime de Pyongyang executou testes de armas que violam as resoluções do Conselho de Segurança da ONU durante quase todos os meses do ano passado, incluindo o lançamento de seu míssil balístico intercontinental mais desenvolvido.

(AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!