pena de morte

EUA executam homem condenado por matar motoqueiros de uma gangue em 2001

Governador do Oklahoma rejeitou pedido de perdão feito por uma Junta de Indulto e Liberdade Condicional

Por Agências
Publicado em 30 de novembro de 2023 | 19:33
 
 
 
normal

Um homem condenado pelo crime de duplo homicídio foi executado nesta quinta-feira (30) em Oklahoma, no centro dos Estados Unidos, disse uma porta-voz Departamento Correcional desse estado.

Phillip Hancock, de 59 anos, recebeu a injeção letal na Penitenciária Estadual de Oklahoma na cidade de McAlester, segundo as autoridades.

Esta é a 24ª execução realizada em 2023 - todas nos estados de Alabama, Flórida, Missouri, Oklahoma e Texas - e a última prevista nos Estados Unidos para este ano.

No início deste mês, a Junta de Indulto e Liberdade Condicional de Oklahoma havia recomendado a concessão de um perdão a Hancock e que ele fosse submetido à prisão perpétua, mas o governador Kevin Stitt rejeitou o pedido.

Hancock foi sentenciado à pena de morte pelos assassinatos, em 2001, de Robert Jett e James Lynch, membros de uma gangue de motoqueiros.

O homem alegou legítima defesa em sua ação. Ele contou que atirou em Jett e Lynch durante uma briga depois que os dois indivíduos tentaram obrigá-lo a entrar em uma jaula em Oklahoma City, onde morava o primeiro.

Oklahoma retomou as execuções em 2021, depois de uma moratória de seis anos devido a falhas no procedimento em 2014 e 2015.

Segundo uma pesquisa recente da Gallup Poll, 53% dos americanos são favoráveis à pena de morte para alguns condenados por assassinato, o que constitui o percentual mais baixo desde 1972, quando a Suprema Corte bloqueou as execuções no país, reinstauradas quatro anos depois.

A pena capital foi abolida em 23 estados do país, enquanto outros três - Califórnia, Oregon e Pensilvânia - cumprem uma moratória à sua aplicação.

Em tempos recentes, a pena de morte tem sido aplicada principalmente através de injeção letal. No entanto, o estado do Alabama pretende usar no próximo ano o método de inalação de nitrogênio, algo inédito em nível mundial.

Este procedimento, no qual a morte é provocada por hipoxia (esgotamento de oxigênio), está programado para 25 de fevereiro, com a execução de Kenneth Smith, de 58 anos, condenado à morte por um assassinato ocorrido em 1988.

(AFP)
                
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!