fome e sede

Palestinos aguardam desesperados ajuda humanitária prometida a Gaza

Os caminhões que transportam ajuda humanitária estão bloqueados há vários dias na passagem de Rafah, na fronteira com o Egito

Por Agências
Publicado em 19 de outubro de 2023 | 21:05
 
 
 
normal

Os palestinos bloqueados na Faixa de Gaza aguardam desesperados, nesta quinta-feira (19), a chegada de ajuda humanitária através do Egito, que segundo um veículo de mídia deste país, abrirá sua passagem fronteiriça na sexta-feira, após 13 dias de uma guerra que não dá trégua.

Os caminhões que transportam ajuda humanitária para o pequeno território que tem de 2,4 milhões de habitantes estão bloqueados há vários dias na passagem de Rafah, na fronteira com o Egito.

O canal AlQahera News afirmou que a passagem de Rafah "abrirá amanhã", sexta-feira, sem dar mais detalhes.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que viajou a Israel na quarta-feira, afirmou que seu homólogo do Egito, Abdel Fatah al-Sissi, aceitou a entrada de até 20 caminhões em Gaza.

Este será o primeiro comboio de ajuda para a Faixa de Gaza desde 7 de outubro, quando o grupo palestino Hamas executou um ataque sem precedentes contra Israel.

Desde então, mais de 1.400 pessoas morreram em território israelense, a maioria civis, e 203 pessoas foram sequestradas e levadas a Gaza como reféns, segundo as autoridades israelenses. O Exército israelense também afirma que cerca de 1.500 combatentes do Hamas morreram na contraofensiva.

Do lado palestino, mais de 3.700 pessoas, a maioria civis, morreram nos bombardeios incessantes realizados contra Gaza, segundo o último balanço das autoridades do enclave palestino.

Israel mantém o território sob cerco total, com uma onda de bombardeios aéreos e o bloqueio de Gaza, além de milhares de soldados preparados para uma incursão terrestre.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, instou nesta quinta-feira, do Cairo, a criação de "um acesso humanitário rápido e sem obstáculos" para levar ajuda à Gaza e insistiu que "o que é necessário não é uma operação pequena".

A Organização Mundial da Saúde (OMS) solicitou, por sua vez, que Gaza recebesse ajuda "todos os dias", incluindo combustível para os hospitais.

Israel afirmou na quarta-feira que não bloquearia a entrada de "comida, água e remédios" em Gaza, entretanto, não mencionou o combustível, que é essencial para os geradores de energia.

A situação em Gaza é crítica, com hospitais saturados e mais de 3.785 mortos, incluindo mais de 1.500 crianças, e quase 12.500 feridos desde o início da represália israelense, segundo os números divulgados pelo ministério da Saúde do território, controlado pelo Hamas.

Bairros inteiros foram destruídos e os moradores não têm água, alimentos ou energia elétrica. 


- "Estamos preparados" -Dezenas de pessoas se reuniram na manhã de quinta-feira na passagem de Rafah na expectativa de uma autorização para atravessar a fronteira.

"Estamos preparados com nossas malas", disse Mohammed, 40 anos, que trabalha para uma instituição italiana e aguarda há três dias com a família.

Após a visita a Israel e de muitos contatos por telefone com as autoridades do Egito, Biden anunciou que um número limitado de caminhões deve passar pelo posto de Rafah.

"Queremos a passagem do maior número possível de caminhões. Acredito que há quase 150", disse o presidente americano na quarta-feira à noite.

Biden, no entanto, destacou que a entrada de um segundo comboio dependerá de "como acontecerá a distribuição do primeiro". "Se o Hamas confiscar a assistência, não deixar passar (...) então será o fim", alertou em uma escala na Alemanha em seu retorno a Washington.

Durante a visita a Israel, o presidente dos Estados Unidos isentou Israel de qualquer responsabilidade no bombardeio do hospital Ahli Arab de Gaza. Palestinos e israelenses trocam acusações sobre o ataque.

O ministério da Saúde do território palestino afirmou que o bombardeou matou 471 pessoas, incluindo deslocados que seguiram para o hospital em busca de refúgio.

Porém, uma fonte de um serviço de inteligência europeu entrevistada pela AFP afirmou que o número de vítimas seria muito menor, "provavelmente entre 10 e 50". Já os serviços de inteligência dos EUA citam entre 100 e 300 mortos, segundo um relatório ao qual à AFP teve acesso.

O porta-voz do Exército israelense, Jonathan Conricus, também questionou o número divulgado pelo Hamas: "Onde estão todos os corpos?", perguntou.

Fotos e vídeos feitos pela AFP mostram dezenas de corpos debaixo de lençóis ou em sacos pretos.

- Ataque contra uma igreja -Israel acusou a Jihad Islâmica, outro movimento islamista palestino, pelo ataque contra o hospital, uma versão respaldada por Biden.

No entanto, para o grupo, que é aliado do Hamas, uma bomba lançada por um avião das Forças Armadas de Israel provocou a tragédia.

Nesta quinta-feira, o Hamas denunciou que um bombardeio israelense deixou "muitos" mortos e feridos em uma igreja ortodoxa onde se refugiavam deslocados.

Vários países atuam para evitar uma conflagração regional. O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, visita Israel nesta quinta-feira para pedir o fim da escalada bélica. A ministra alemã das Relações Exteriores, Annalena Baerbock, por sua vez, iniciou uma visita pelos países do Oriente Médio.

O presidente egípcio e o rei Abdullah II da Jordânia exigiram o fim "imediato" das hostilidades e acusaram Israel de infligir uma "punição coletiva" à Faixa palestina através do "cerco, fome infligida e deslocamento forçado" de seus habitantes, segundo Amã.

As tensões também permanecem na Cisjordânia ocupada, onde as forças israelenses mataram pelo menos nove palestinos em incidentes separados nesta quinta-feira, segundo o Ministério da Saúde palestino.

Ao menos 73 palestinos morreram na Cisjordânia por forças israelenses ou colonos desde o início do conflito, em 7 de outubro, disse a mesma fonte.

O sindicato palestino de jornalistas informou que 16 repórteres morreram em Gaza desde o marco da ofensiva do Hamas.

A fronteira com o Líbano também não foi poupada e há trocas diárias de disparos entre o Exército israelense e o Hezbollah libanês.

Neste incidentes morreu um membro de "uma equipe de repórteres" que cobria as tensões entre ambos os países, denunciou o Exército libanês.

(AFP)
                
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!