religião

Papa apela para ‘deposição das armas do ódio' no final de visita ao Sudão do Sul

Ao longo de sua visita de 48 horas, o pontífice fez repetidos apelos à paz no país de maioria cristã

Por Agência
Publicado em 05 de fevereiro de 2023 | 14:11
 
 
 

O papa Francisco fez um apelo neste domingo (5) para "depor as armas" durante uma missa ao ar livre em Juba, capital do Sudão do Sul, que marcou o fim de sua visita a este país africano devastado pela violência e pela miséria. Francisco deixou Juba por volta das 12h locais (7h em Brasília ), juntamente com os chefes das Igrejas da Inglaterra e da Escócia, representantes das outras duas confissões cristãs do Sudão do Sul com quem realizou a visita.

Ao longo de sua visita de 48 horas, o pontífice fez repetidos apelos à paz no país de maioria cristã e 12 milhões de habitantes, que entre 2013 e 2018 foi devastado por uma guerra civil entre apoiadores dos dois líderes rivais, Salva Kiir e Riek Machar, que deixou 380.000 mortos e milhões de deslocados internos.

"Deponhamos as armas do ódio e da vingança para embraçar a oração e a caridade; superemos as antipatias e aversões que, com o passar do tempo, se tornaram crônicas e correm o risco de levar à contraposição de tribos e de etnias", disse o papa na missa para cerca de 70 mil fiéis.

Antes da missa, Francisco, de 86 anos, cumprimentou e abençoou a multidão durante um passeio em seu papamóvel, ao som de aplausos e pandeiros. A multidão gritava "Bem-vindo ao Sudão do Sul!", agitando bandeiras do Estado mais jovem do mundo e do Vaticano. 

"Precisamos de paz" 

Como muitos sul-sudaneses, James Agiu espera que esta visita "traga mudanças ao país". "Há muitos anos estamos em guerra, precisamos de paz", disse à AFP o jovem de 24 anos. "Eu sofri em minha vida. É por isso que estou aqui, para que o papa possa abençoar a mim e à minha família", disse Josephine James, 32.

A ONU e a comunidade internacional acusam dirigentes do Sudão do Sul de alimentar a violência, sufocar as liberdades políticas e desviar fundos públicos. Os exércitos pessoais de Salva Kiir e Riek Machar também são acusados de crimes de guerra. 

Apesar do acordo de paz assinado em 2018 no país que conquistou a independência do Sudão em 2011, a violência continua. Na quinta-feira, véspera da chegada do papa, pelo menos 21 pessoas foram mortas em um roubo de gado no sul. Em 2019, Francisco recebeu os dois inimigos no Vaticano e ajoelhou-se para beijar-lhes seus pés, implorando que fizessem as pazes, um gesto que não teve progressos concretos. 

Antes de Juba, Francisco fez uma visita de quatro dias a Kinshasa, capital da República Democrática do Congo, onde condenou as crueldades dos grupos armados. Esta é a 40ª visita do papa argentino ao exterior desde sua eleição em 2013 e a terceira à África subsaariana. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!