conflito

Rússia ataca portos da Ucrânia após rejeitar acordo para exportação de grãos

Seis mísseis foram lançados contra Odessa e 21 drones de fabricação iraniana que se aproximavam da região foram destruídos pela defesa antiaérea

Por Agência
Publicado em 18 de julho de 2023 | 09:42
 
 
 

Um ataque executado durante a noite pela Rússia provocou danos às infraestruturas portuárias de Odessa, no sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades militares de Kiev nesta terça-feira (18), poucas horas depois de Moscou rejeitar a prorrogação de um acordo para a exportação de grãos na região.

Seis mísseis Kalbir lançados contra Odessa e 21 drones de fabricação iraniana que se aproximavam da região foram "destruídos" pela defesa antiaérea, anunciou o comando sul do exército ucraniano em um comunicado.

"Infelizmente, os destroços dos mísseis abatidos e a onda expansiva da derrubada danificaram as infraestruturas portuárias e várias residências particulares", acrescenta a nota, que não menciona a cidade afetada.

De acordo com a Força Aérea ucraniana, 31 drones foram derrubados em todo país, dos 36 que a Rússia lançou durante a noite. A região de Odessa, no Mar Negro, abriga terminais cruciais para o acordo de exportação de grãos ucranianos entre Kiev e Moscou que expirou na segunda-feira à noite. 

O pacto permitiu a exportação de mais de 32 toneladas de grãos ucranianos desde o ano passado. O governador de Mikolaiv, Vitaliy Kim, informou que uma "instalação industrial" foi atingida no ataque contra a capital homônima desta região do sul da Ucrânia. O impacto não deixou vítimas, mas provocou um incêndio que já foi controlado.

Usar "a comida como arma" 

A invasão russa, iniciada em fevereiro de 2022, provocou o bloqueio dos portos na costa do Mar Negro da Ucrânia, um dos principais produtores de cereais do mundo, o que gerou grande tensão no mercado mundial de alimentos.

O acordo assinado em julho de 2022 com a Rússia permitiu a retomada do trânsito de grãos, mas o Kremlin se recusou a renovar o pacto alegando que parte que deveria garantir as exportações dos alimentos e fertilizantes do país não estava sendo cumprida.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que milhões de pessoas vão "pagar o preço" por esta decisão, que segundo ele "afetará as pessoas mais pobres em todo o mundo". O presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, declarou que seu país está disposto a manter as exportações de grãos.

"Mesmo sem a Rússia, tudo o que for possível deve ser feito para que possamos usar esse corredor [para exportação] no Mar Negro. Não temos medo", insistiu.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, chamou a decisão de Moscou de "cínica" e o secretário de Estado americano, Antony Blinken, acusou a Rússia de usar "a comida como arma".

A ONU informou que na segunda-feira foi inspecionado em Istambul a última embarcação com grãos ucranianos que cruzou o Mar Negro como parte do acordo.

De acordo com os dados do Centro de Coordenação Conjunta (CCC), que supervisionou o acordo, China e Turquia foram os principais beneficiários das exportações de grãos, assim como as economias desenvolvidas. 

O acordo também ajudou o Programa Mundial de Alimentos da ONU a auxiliar os países com escassez de alimentos, como Afeganistão, Sudão e Iêmen. A notícia da saída da Rússia do acordo teve um impacto limitado nos preços internacionais do trigo, que registram cotações quase 25% menores que há 12 meses. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!