'Abin Paralela'

Alexandre Ramagem, alvo da PF, se reúne com Rodrigo Pacheco no Senado

O deputado federal do PL, que é pré-candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro, foi alvo de busca e apreensão na última quinta-feira (25)

Por Gabriela Oliva
Publicado em 31 de janeiro de 2024 | 15:20
 
 
 
normal

O deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) se reuniu, na tarde desta quarta-feira (31), com o presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). O encontro ocorreu logo após Pacheco dialogar com líderes da oposição no Senado.

Ramagem, que é pré-candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro, foi alvo de busca e apreensão na última quinta-feira (25) no âmbito da operação Vigilância Aproximada. Essa operação visa investigar uma suposta "organização criminosa que se instalou" na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) durante a gestão de Jair Bolsonaro, quando Ramagem presidia a agência.

A investigação concentra-se nas denúncias de monitoramento ilegal de autoridades e outras pessoas, utilizando ferramentas de geolocalização de dispositivos móveis, como celulares, sem autorização judicial.

Além de Ramagem, outros alvos das investigações relacionadas à chamada "Abin Paralela" incluem o deputado federal Carlos Jordy (PL-RJ), o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o general da reserva Augusto Heleno. 

Quem é Ramagem

Alexandre Ramagem está no primeiro mandato de deputado federal e foi eleito com amplo apoio do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que o tem como homem de confiança. É com esse mesmo vínculo que ele foi lançado pré-candidato à prefeitura do Rio de Janeiro nas eleições que vão acontecer em outubro deste ano.

Antes, Ramagem foi diretor-geral da Abin. Foi em sua gestão, entre julho de 2019 e abril de 2022, que a PF identificou o uso de um sistema de geolocalização de dispositivos móveis (GPS) sem a devida autorização judicial por servidores. 

Ramagem tem 51 anos e é delegado. Ele está no quadro da Polícia Federal desde 2005 e fez parte da equipe da Lava Jato no Rio de Janeiro. Atuou em operações da Copa do Mundo de 2014, das Olimpíadas de 2016 e da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente.

Ele também chefiou a equipe de segurança de Bolsonaro após a vitória dele para presidente da República, em 2018. Na época, o então presidente reforçou sua segurança por conta da facada que sofreu em um evento da campanha eleitoral em Juiz de Fora, na Zona da Mata de Minas Gerais. Foi por meio desse contato que Ramagem e Bolsonaro viraram amigos.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!