Cibercriminosos

Saiba o que é ransomware, tipo de ataque hacker sofrido pelo Ministério da Saúde

Os sites do Ministério da Saúde e do ConecteSUS saíram do ar após um ataque hacker na madrugada desta sexta-feira (10)

Por O TEMPO Brasília
Publicado em 10 de dezembro de 2021 | 09:04
 
 
 

Os sites do Ministério da Saúde (www.saude.gov.br) e do e do ConecteSUS (conectesus.saude.gov.br) saíram do ar após um ataque hacker na madrugada desta sexta-feira (10)

Ao tentar a página do ministério, o usuário encontra a seguinte mensagem: “dados internos dos sistemas foram copiados e excluídos”. O Portal Covid também foi afetado e se encontra sem possibilidade de acesso.

O Lapsus$ Group, que assume a autoria do ataque cibernético, diz que 50 terabytes de informações foram retirados do sistema e estão em posse do grupo. “Nos contate caso queiram o retorno dos dados”, diz a mensagem no site.

O portal sofreu um “ransomware”, ataque hacker caracterizado pela paralisação dos sistema seguido de um pedido de resgate para liberação. Os cibercriminosos inserem um tipo de vírus no sistema que impede o acesso às informações armazenadas. Com isso, pretendem forçar a vítima a pagar para recuperarem o acesso ao sistema.

Ransom significa sequestro e o impacto desse tipo de ataque costuma ser devastador. Esses ataques se transformaram em uma operação profissionalizada, com “call center” disponível 24 horas para que a vítima entre em contato com os criminosos.

Um caso recente que chamou a atenção teve como alvo a JBS, maior processadora de carnes do mundo. Após o ataque forçar a interrupção de algumas de suas operações na Austrália, no Canadá e nos Estados Unidos, a empresa aceitou pagar US$ 11 milhões em resgate.

Ataque após Brasil x Argentina

Em setembro, uma página do site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foi hackeada. O alvo foi a seção em que consta o formulário de Declaração de Saúde do Viajante.

O incidente ocorreu após decisão da agência de interromper jogo de futebol pelas Eliminatórias da Copa do Mundo entre Brasil e Argentina.

O formulário que sofreu o ataque é obrigatório para todos, brasileiros ou não, que pretendem ingressar no país — e foi preenchido com informações falsas por quatro atletas argentinos, que ocultaram sua passagem pelo Reino Unido nos últimos 14 dias.

Ao clicar na página, aparecia uma bandeira da Argentina com a frase: “Não ficamos de quarenta (sic) para passear pelos seus servidores. Vamos ser expulsos também?”.

O TEMPO agora está em Brasília. Acesse a capa especial da capital federal para acompanhar o noticiário dos Três Poderes.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!