POLÊMICA

Internautas comparam entrevista de Natalia Becker com a de Suzane Von Richthofen: "mesma blusa"

As duas reportagens tiveram resultados desastrosos para as suspeitas; relembre

Por Pollyana Sales
Publicado em 10 de junho de 2024 | 11:16
 
 
 

A entrevista da influenciadora Natalia Becker ao Fantástico, neste domingo (09 de junho), está  entre os assuntos mais comentandos da web. O depoimento da influencer ao programa é comparado por internautas ao de Suzane Von Richthofen, em abril de 2006. As duas entrevistas tiveram resultados desastrosos para as suspeitas e outras semelhanças. 


Relembre:


A primeira semelhança apontada na internet é que Natalia Becker, responsável por aplicar peeling de fenol em paciente que morreu após procedimento, escolheu um moletom rosa, do Mickey, para conceder a entrevista. A roupa é bem parecida com a usada por Suzane em 2006, quando a acusada por planejar o assassinato dos próprios pais cumpria pena em regime semiaberto e deu  uma entrevista polêmica que mudaria o rumo da decisão judicial.


A escolha das roupas infantis são apontadas por internautas  como uma estratégia de vitimização das suspeitas, que também aparecem abatidas, sem maquiagem e chorando em alguns momentos:


"Fico me perguntando como que uma advogada permite a cliente nessa situação dar entrevista pro FANTÁSTICO e ainda por cima com uma blusa rosa da minnie (igualzinha a Suzane Von Richthofen)", escreveu uma internauta na rede X.


Outra semelhança é a participação dos advogados durante a gravação. Natalia chegou a abandonar a entrevista e se recusou a responder perguntas básicas como: "qual era a sua profissão", e " o tipo de fenol usado no procedimento". A advogada da influencer, Tatiana Forte, sugere que a repórter não faça esses tipos de perguntas e também pede para o Fantástico não exibir essa parte da entrevista. 


No caso de Suzane, com 22 anos na época, a entrevista é concedida ao lado e de mãos dadas com o advogado, Denivaldo Barni. Na ocasião, a jovem aparece sempre com a cabeça baixa e chorando.

O programa também registrou o momento em que Barni, sem saber que estava com o microfone ligado, orienta Suzanne a chorar durante a gravação.


Em outro momento da entrevista, outro advogado de Richthofen, chamado Mario Sergio de Oliveira, orienta a mulher a se recusar a falar dos irmãos 'Cravinhos':


"Começa a chorar e fala: ‘Não quero falar mais", diz Barni. 


A declaração é parecida com a de Natalia Backer, quando ela se nega a responder questões na entrevista deste domingo (09). É também Suzane que pede para terminar a entrevista em 2009.


Repercussão


A entrevista de Suzane, há 18 anos, teve resultados desastrosos para a condenada de planejar o assassinato dos pais, junto com o namorado. Von Richthofen, que na época cumpria pena em regime semiaberto por, segundo a Justiça, não apresentar riscos à sociedade, voltou para a prisão um dia depois da reportagem ser divulgada em rede nacional.

O promotor do caso, Roberto Tardelli, usou a entrevista para justificar o pedido de prisão de Suzane:


“A possibilidade de fuga era iminente. Descobriu-se a farsa. O tiro saiu pela culatra e ela poderia fugir porque tem pouco a esperar do julgamento (marcado para  junho de 2006)", disse o promotor. 


Tardelli também afirmou, na época, que Suzane conseguiu ficar “ainda mais antipática para a sociedade”, o que poderia complicar sua situação, já que ela iria a júri popular poucos meses depois. 

Já Natalia vai responder por homicídio com dolo eventual, quando não há intenção, mas se assume o risco de matar.


Relembre o caso:

A morte de Henrique Chagas, 27 anos, completa uma semana nesta segunda-feira (10 de junho). O jovem que desejava tirar marcas de acne na pele se submeteu ao procedimento chamado Peeling de Fenol, no dia 03 de junho. Tudo foi feito pela influenciadora e empresária Natalia Fabiana, em sua clínica localizada em São Paulo. A empresária tinha mais de 200 mil seguidores nas redes sociais e divulgava resultados 'milagrosos' do procedimento na web.


A Associação Nacional dos Esteticistas e Cosmetólogos (ANESCO), confirmou que Natália não tinha formação na área de estética e é considerada uma pessoa leiga. Já o procedimento é avaliado como de risco e, segundo a lei, só pode ser realizado por médicos por perfurar profundamente a pele.

Outro ponto que chama a atenção no caso é que a influencer aprendeu a aplicar o fenol em um curso on-line e cobrou R$ 4.500 para fazer o procedimento.


A Polícia Civil ainda aguarda o laudo oficial que vai apontar as causas da morte do empresário.

Veja os comentários da internet:

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!