Diligências

Zanin determina abertura de inquérito contra Quaquá por tapa em bolsonarista

Na última semana, a Procuradoria Geral da República (PGR) já havia se manifestado de forma favorável à instauração do inquérito

Por O Tempo Brasília
Publicado em 09 de abril de 2024 | 08:50
 
 
 
normal

O ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (8) a abertura de inquérito para investigar o vice-presidente nacional do PT, Washington Quaquá (RJ). O magistrado quer explicações sobre o tapa que o petista deu no também deputado federal Messias Donato (Republicanos-ES), durante sessão plenária na Câmara, em dezembro do ano passado. 

"As diligências requeridas mostram-se necessárias para elucidar as condutas descritas no pedido de instauração do caderno investigatório, motivo pelo qual devem ser deferidas de imediato", escreveu o ministro. Ele ainda determinou que Quaquá preste informações à Polícia Federal (PF) sobre o episódio no prazo de até 15 dias. Após isso, Zanin vai decidir se há elementos para tornar o deputado réu. 

Na última semana, a Procuradoria Geral da República (PGR) já havia se manifestado de forma favorável à instauração do inquérito para apurar a conduta do parlamentar. Na época, o vice-procurador Hindemburgo Chateaubriand Filho também havia pedido que o YouTube preservasse dois vídeos que mostram a agressão. O ministro do Supremo também atendeu a esse pedido da PGR. 

Em 20 de dezembro, Washington Quaquá deu um tapa no rosto do deputado bolsonarista Messias Donato, durante a sessão de promulgação da reforma tributária. A confusão começou com a chegada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ministros ao plenário da Câmara. O petista foi tirar satisfação de deputados apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que gritavam “Lula, ladrão, seu lugar é na prisão”. 

 

 

Com o celular em uma das mãos, Quaquá disse que faria uma representação contra o deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG), e o chamou de “viadinho”. Em seguida, foi repelido por Donato, que o pegou no seu braço. Quaquá então deu um tapa na cara do bolsonarista. “(Donato) me agrediu e dei um na cara dele. Eles estavam xingando Lula”, admitiu o vice-presidente do PT. 

“Esse deputado (Donato) segurou minha mão e me empurrou. Tomou um tapa na cara”, respondeu Quaquá. “Se me empurrar, dou de novo. A esquerda é muito passiva com a violência da direita. Comigo bateu, levou”, completou. Durante toda a solenidade desta quarta-feira, o plenário da Câmara teve embate entre coros de apoiadores e opositores de Lula, com gritos de “Lula guerreiro” e “Lula ladrão”. 

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!